O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apresentou nesta segunda-feira (13) o novo modelo de urna eletrônica que será usado nas eleições de 2022. Segundo o TSE, a versão é mais segura, moderna e possui mais requisitos de acessibilidade.

Nesta segunda, o presidente do tribunal, ministro Luís Roberto Barroso, visitou uma fábrica onde são produzidos os módulos, em Manaus (AM). "Estamos trabalhando para proteger os sistemas do TSE quase por uma questão de imagem, porque quanto ao conteúdo não tem como fraudar a eleição". Segundo ele, o TSE está se aperfeiçoando e aumentando a proteção em relação à cibersegurança.

O TSE afirma que a linha de produção na capital amazonense produzirá 225 mil das novas urnas, de um total de 577 mil que serão usadas nas eleições do ano que vem.

Renovação
Neste ano, o Tribunal adquiriu 32.609 urnas do modelo UE 2020 para atualizar parte do parque tecnológico, em virtude da necessidade de substituição dos aparelhos fabricados de 2006 a 2008, porque a vida útil deles se esgotou. A Justiça Eleitoral explica que as urnas eletrônicas são planejadas para serem substituídas após seis eleições, o que supera os 10 anos de uso desde a fabricação. Ainda conforme o órgão, os principais motivos que levam a essa substituição são a obsolescência tecnológica, a necessidade de evolução da segurança ou o aumento da taxa de falhas dos modelos antigos.

Esta é a segunda compra de urnas eletrônicas para as eleições de 2022 e 2024. Os equipamentos que completaram a sexta eleição em 2020 deverão ser substituídos pela Justiça Eleitoral até 2024.

Leia também:
CMBH derruba veto de Kalil a projeto que torna templos religiosos em serviços essenciais da capital
Pagamento do 13º salário dos servidores mineiros será na quarta-feira, em parcela única