Ligações telefônicas, celebrações on-line e ceias apenas entre as pessoas que dividiam a mesma residência foram a realidade e alternativa encontrada por muitas pessoas para celebrar o Natal em 2020, devido ao alto risco de contágio pelo coronavírus. Entretanto, com o avanço da vacinação e a redução no número de casos da doença, o fim de 2021 promete ser marcado por reencontros e reuniões presenciais para a celebração da vida e das festividades, dentre elas o Natal.

Fazem parte das lembranças de infância do médico Raimundo Nonato Silva Júnior as enormes festas, decorações ricas em cores e os presépios natalinos feitos pela mãe na casa em que residiam, em Coluna, no Vale do Rio Doce. Raimundo faz parte de uma família festeira, que conta com 11 irmãos. Antes da pandemia, a ceia e o almoço de Natal sempre foram uma tradição.

“Imagine só como foi difícil esse período de afastamento e reclusão social para nós, além de 11 irmãos, tenho 20 sobrinhos e dez sobrinhos netos. Ficamos afastados também de meus pais, que são quase centenários, e moram no interior”, conta Raimundo.

Agora, em 2021, a celebração vai voltar a acontecer em uma reunião com 15 a 20 pessoas, mas com precaução e todas as medidas de segurança. “Aos poucos, a gente volta à vida quase normal com as relações e a proximidade se refazendo, com um fortalecendo o outro. Porém, para mantermos esse novo momento, e já sabendo que outras pandemias virão, precisaremos manter os cuidados, como o álcool em gel e, principalmente, as máscaras”, ressalta o médico.

Raimundo, que mora com duas irmãs, gêmeas idênticas, Elizabeth e Elizete, revela que outro ponto importante para uma reunião segura é que todos os convidados da festa tenham tomado a vacina contra a Covid-19. “Nós três aqui em casa já tomamos as três doses recomendadas. Esse é o passaporte seguro”.

E as pessoas sentiram falta não apenas das confraternizações, mas também daquela tradição de ver a cidade e várias casas enfeitadas para o Natal. A Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, por exemplo, sempre é tomada pelas luzes de Natal que emocionam e encantam crianças e adultos.

E, neste ano, as luzes, cores e alegria típicas do Natal já têm espaço garantido na capital mineira. Em vários pontos da cidade a decoração atrai a visita de famílias, casais, amigos de todas as idades. 

É hora de dar aquele “rolê” pela cidade e se encher da magia do Natal, resgatando a emoção, a solidariedade e o amor que a época reforça em cada um.

A retomada das visitações e das celebrações foi permitida graças à flexibilização dos protocolos da Covid-19 e a cidade possui uma vasta programação, que poderá ser aproveitada pelo público de todas as idades neste mês.

Natal01

ESPERANÇA
A empresária Márcia Machado conta que esta será a segunda vez, durante toda a pandemia, que irá reunir os familiares. E isso só vai acontecer porque estão todos vacinados, exceto as crianças.

Márcia passou por momentos muito traumáticos no início da pandemia, pois estava em Portugal quando tudo começou. “Ao sairmos do Brasil com destino a Portugal, existia apenas um caso confirmado em São Paulo. Para voltar, foi uma luta e uma ansiedade imensa. Nosso avião foi o penúltimo a deixar o país antes do espaço aéreo português ser fechado. Agora, queremos celebrar com alegria e esperança”, diz entusiasmada.

Para a psicóloga Janaína Fidelis, assim como Márcia, tem muita gente contando os dias para a chegada das comemorações de final de ano, aquele momento de matar a saudade, dar um abraço carinhoso e colocar a conversa em dia. 

“Tivemos muitas perdas nos últimos dois anos e todos estamos precisando de muito afeto. A pandemia impactou a saúde mental da população de maneira geral, impondo um distanciamento necessário, mas não comum para nós humanos”, avalia.

Segundo Janaína, principalmente para aqueles que passaram ou estão passando pelo luto, os reencontros vão ajudar na redução da ansiedade, do estresse e na melhora da saúde mental, trazendo à tona emoções positivas.
“O Natal e a virada de ano representam a renovação e trarão o sentimento de esperança para a vida de todos nós que desejamos fortemente um 2022 de saúde, amor e muita proximidade. Não é possível voltar no tempo e recuperar o que passou, mas é possível sonhar com o futuro que desejamos e fazermos nossa parte para que ele aconteça”, garante a psicóloga.