Cerca de 30 prefeitos de cidades históricas de Minas participaram nesta sexta-feira (10) de uma reunião para discutir a suspensão do Carnaval de 2022. O encontro foi realizado na Associação das Cidades Históricas (ACHMG), em Ouro Preto, região Central do Estado.

Em nota, a Prefeitura de Itabirito confirmou, nesta sexta, o cancelamento da festa. Segundo a administração municipal, a decisão foi tomada após 90% dos participantes de uma consulta pública se manifestarem contra a realização do evento na cidade. "Fizemos várias avaliações em cima dos números da pandemia. Hoje, a situação em Itabirito está tranquila. Mas é fundamental que mantenhamos todos os cuidados. Neste momento, a não realização do Carnaval de rua é uma medida adequada de prevenção", destaca o prefeito Orlando Caldeira.

A Secretaria de Cultura, Turismo e Lazer da Mariana também confirmou, por meio de uma publicação no Diário Oficial do Município, que vai suspender o Carnaval do ano que vem.

A Prefeitura de Ouro Preto participou do encontra na ACHMG mas informou que ainda não tem um posicionamento oficial sobre a realização da festa. Segundo a assessoria de comunicação, no próximo dia 15 será divulgada a decisão oficial do prefeito Angelo Oswaldo.

Anfitriã de um dos carnavais mais famosos e tradicionais do país, no dia 4 deste mês, a Prefeitura de Diamantina já havia anunciado em suas redes sociais que a cidade não realizará a festa em 2022 e que o evento representa risco à coletividade e potencializa a transmissão do coronavírus e da nova variante Ômicron.

Em nota divulgada na tarde desta sexta nas redes sociais, o presidente da ACHMG e prefeito de Itapecerica, Wirley Reis, confirmou o cancelamento do evento no próximo ano. Segundo a publicação, a decisão foi tomada em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde e a Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes. No entanto, a nota confirma que a decisão não proíbe os tradicionais blocos carnavalescos da cidade de promoverem eventos particulares, desde que adequados às normas da vigilância sanitária e aos decretos municipais e estaduais vigentes.

"Também não implica que a cidade estará fechada aos turistas. Como alternativa, pensando sobretudo na importância de movimentar os setores de comércio e serviços locais, a Prefeitura substituirá os usuais eventos de Carnaval por um formato de eventos ligados ao turismo cultural, ecológico e de aventura, com a promoção de atrativos diversos", afirma a publicação de Itapecerica.

A Associação Mineira de Municípios (AMM) deve divulgar, em breve, um balanço sobre a realização das festas em todas cidades do Estado. De acordo com o órgão, a expectativa é de que a maioria das prefeituras siga o caminho adotado pelas cidades históricas.

 

Leia mais:

Kalil diz que não há como a prefeitura evitar desabamentos como o que ocorreu no bairro Jaqueline
Audiência pública para discutir concessão do metrô de BH acontece no próximo dia 23