A precursora da dança afro em Minas Gerais, Marlene Silva, será homenageada nesta quinta-feira (9), no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, em uma apresentação que promete ilustrar as raízes étnicas que construíram a nação brasileira, seguindo um roteiro histórico-cultural do país. 

O “Casa Grande e Senzala: um espetáculo de dança afro-brasileira em tributo à Marlene Silva” está marcado para às 20h. Veja aqui como adquirir um ingresso. Os sucessos serão homenageados por meio de cenas culturais da dança afro nos tributos:

  • “Terra Brasilis”, premiada pela dança indígena Aruanã-Açu, concedida pela Unesco/RJ
  • “Ouro de Minas”, com a coreógrafa Zezé Motta, no filme Chica da Silva
  • “Dinastia Congolesa”, do quadro "Tributo a uma Rainha Negra", na riqueza rítmica das danças de caráter guerreiro, mostrando a associação homem/animal e o cotidiano tribal inspirados na cosmovisão africana da relação entre o visível e o invisível
  • “Milagres de um Povo”, o espetáculo "A Visita do Oni de Ifé ao reino de Oyó" na visão do panteão afro-brasileiro e as forças elementares da natureza, contando também com Marlene - Um Filme de Dança nas Montanhas das Gerais, um tributo pela participação no primeiro afoxé de BH Ilê Odara e finalizador apoteótico do espetáculo.

A exibição será inspirada na obra homônima de Gilberto Freyre e Ayres da Mata Machado, com a visão do coreógrafo e discípulo Carlos Afro, com a direção musical de Márcio Martins e convidados.

Marlene Silva

Marlene Silva foi bailarina, coreógrafa, pesquisadora das danças afro primitivas, indígenas e folclóricas brasileiras e precursora dessa arte em Minas Gerais. Trabalhou com a preparação corporal do elenco do filme Xica da Silva, de Cacá Diegues, protagonizado por Zezé Motta, em 1976.

Leia mais:
Fiéis celebram dia de Nossa Senhora da Conceição em BH; haverá missas o dia todo
Comércio espera Natal deste ano com faturamento maior que o de 2019
Bloco Então, Brilha! se diz contra eventos pagos no Carnaval de 2022; 'privatização da alegria'