Na última sexta-feira (3), a Polícia Civil de Minas (PCMG) desarticulou um esquema de adulteração e distribuição de suplementos alimentícios e produtos médicos na região do bairro Castelo, em Belo Horizonte. Os produtos vencidos tinham seus lotes e validades adulterados e eram vendidos como novos por diversos sites. Segundo a delegada encarregada pelo caso, se forem ingeridos, esses produtos podem ser prejudiciais à saúde da pessoa.

Durante a operação, quase uma tonelada de produtos vencidos ou com suspeita de adulteração foram apreendidas, além de materiais e outros produtos avaliados em R$ 1 milhão. 

De acordo com a delegada responsável pela operação, Ana Paula Gontijo, entre as mercadorias que eram adulteradas estavam proteínas, estimulantes naturais, vitaminas e complexos vitamínicos, suplementos alimentícios, aceleradores de metabolismo e outros, comuns de serem utilizados tanto por atletas como por pacientes em tratamento médico que necessitam de complementação.

Dois homens, de 39 e 46 anos, foram presos em flagrante. “Um deles se declarou como a pessoa responsável por despachar as mercadorias compradas pelos sites de vendas, e o outro como o que emitia as notas”, revelou a delegada. Eles foram autuados pelos crimes de falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de substância ou produtos alimentícios e destinado a fins terapêuticos ou medicinais. As penas somadas podem chegar a 23 anos de prisão. 

Investigação

A delegada conta que as investigações começaram depois da reclamação de uma cliente que teria comprado uma mercadoria adulterada. “Ela usava sempre o produto e adquiriu uma nova remessa por meio de um site, notando a diferença no sabor e na qualidade”, declarou.

Segundo a delegada, ao entrar em contato com o fabricante, ela descobriu que o lote estampado e a data de validade não constavam a mesma informação. A Polícia Civil localizou o estabelecimento responsável pela venda e desmantelou o esquema. A ação contou também com o apoio da Vigilância Sanitária de BH.

De acordo com as investigações, a empresa realiza vendas para o Brasil inteiro e possui outras três lojas físicas em Sete Lagoas, na região Central do estado, em Divinópolis e em Nova Serrana, cidades do Centro-Oeste mineiro. Nesses outros estabelecimentos, o comércio era realizado apenas de forma presencial. Durante a ação foram apreendidos pacotes prontos para serem despachados pelos Correios e por transportadoras.

Suplementos adulterados

Leia mais:
Homem é preso acusado de estuprar enteadas de 11 e 13 anos no Triângulo
Três pessoas são presas suspeitas de comercialização de produtos falsificados no Sul de Minas