Começou nesta sexta-feira (12) o período de testes do primeiro ônibus elétrico da frota de transporte coletivo de Belo Horizonte. O veículo será testado por 30 dias em diferentes linhas e regionais da capital, para avaliar o desempenho, consumo de eletricidade e emissão de ruídos que podem viabilizar a iniciativa.

O novo ônibus é carregado com energia solar, produzida no Norte de Minas. Ele tem autonomia para circular durante todo o dia, e vai gerar redução de 15 toneladas de gás carbônico que seriam emitidas na atmosfera, como explica João Paulo Campos, diretor de novos negócios da Cemig SIM, que atua em inovações baseadas em energia limpa.

"A mobilidade elétrica é uma realidade hoje no mundo todo, e a cadeia passa pela geração de energia limpa, que será usada neste ônibus. A redução de gases emitidos é muito significante, e pode ser ainda maior quando pensamos em uma frota para a cidade", afirma.

O gerente do projeto de mobilidade eletrica da BHTrans, Rodrigo Pimenta, reforça que a diferença entre os ônibus poderá ser sentida com facilidade pelos usuários e operadores. "A redução da emissão de ruídos é uma grande vantagem, para todos os envolvidos. Além disso, o ônibus é mais confortável, moderno e com maior torque, que melhora o desempenho em arrancadas e subidas", explica.

Pimenta ainda ressalta que o veículo também vai beneficiar a saúde da população, tanto pelo consumo como pela emissão, já que não serão emitidos gases durante o funcionamento. 

Durante o período de testes, também será possível avaliar o desempenho, conforto e a sustentabilidade da iniciativa. A prefeitura vai disponibilizar, dentro do ônibus, um QR Code que leva direto até uma pesquisa de satisfação. Também é possível acessar o questionário por aqui.

O Projeto Mobilidade Elétrica é parceria do ICLEI/TAP (Governos Locais pela Sustentabilidade / Programa da Ação Transformadora) com a Prefeitura de Belo Horizonte / Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a Cemig SIM. O WRI Brasil também vai atuar, mas na promoção de estudos e ações conjuntas nas áreas de mobilidade e desenvolvimento urbano sustentável de BH. 

Leia mais:
Minas reduz para cinco meses a aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19
Projeto de Lei propõe congelamento do IPVA por conta da pandemia em Minas; entenda