O preço da cesta básica em Belo Horizonte registrado em outubro apresentou aumento pelo sexto mês consecutivo. O valor de R$ 604,22 é o mais alto do ano, representando um aumento de 2,69% em relação a setembro e 6,6% desde janeiro de 2021. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (5) em pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead). 

O valor acumulado dos 13 itens alimentícios que compõem a cesta básica na capital corresponde a cerca de 55% do salário mínimo. Os preços são uma média do valor de mercado dos produtos a partir da quantidade estipulada para consumo mensal de uma pessoa.

Os itens que apresentaram maior variação entre setembro e outubro foram  tomate, batata e açúcar, com aumentos de 40,72%, 12,23% e 5,07%, respectivamente. Desde o início do ano, açúcar e tomate também registram alta de preços superior aos 40 pontos percentuais.

De acordo com o gerente de pesquisa do Ipead, Eduardo Antunes, não há previsão para que os preços caiam ou se estabilizem. “A tendência é de manter a alta, porque a gente ainda tem essa instabilidade da pandemia. O preço dos combustíveis também interfere, já que nossa carga é basicamente escoada por caminhões e temos que pensar em toda a cadeia até o valor final”, explica.

A pesquisa completa pode ser lida neste link.

Leia mais:
Metrô de BH terá novo intervalo entre viagens a partir de segunda-feira; confira
Manifestação dos atingidos pela barragem em Mariana se concentra em ponto turístico; veja vídeo