Os motoristas de Belo Horizonte devem ficar atentos a novos equipamentos de fiscalização eletrônica que serão instalados nos próximos dias em dois pontos da capital. Ainda em processo de implantação, os radares têm como objetivo flagrar conversões proibidas e o tráfego irregular de caminhões.

Novidade na metrópole, o detector de conversão em local proibido será colocado na avenida Pedro II, na região Noroeste, no trecho da via que passa embaixo do viaduto que dá acesso ao Anel Rodoviário. O aparelho também irá detectar o avanço de semáforo.

Segundo a BHTrans, assim que o equipamento estiver apto, haverá sinalização orientando os motoristas sobre o início da operação. Os condutores que desrespeitarem a regra estão sujeitos a multa de R$ 195,23 por infração grave, com cinco pontos na carteira. 

Haverá, também, a instalação de um detector de caminhões para controlar a circulação de veículos pesados na Orla da Lagoa da Pampulha. O equipamento foi colocado na avenida Otacílio Negrão de Lima, próximo à segunda rotatória depois do Zoológico, mas ainda não está em funcionamento.

“Somente entrará em operação quando todos os requisitos estiverem em conformidade aos preceitos legais que regulamentam o tema. Assim que entrar em operação, a BHTrans sinaliza o local com faixas de pano orientando sobre o início da operação”, disse o órgão, em nota.

Atualmente, BH dispõe de 232 locais com equipamentos de fiscalização.

O objetivo da prefeitura ao adicionar o aparelho é preservar o conjunto arquitetônico da Pampulha, tombado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). 

A penalização aos motoristas pode chegar a R$ 293,47 e sete pontos na carteira, além da retenção do veículo (caminhão) para regularização. 

Outros quatro dispositivos como esse já estão em atividade nas avenidas Nossa Senhora do Carmo e do Contorno, na região Centro-Sul de BH. De acordo com a autarquia, não há previsão de novas instalações de radares na capital.

Leia mais:

Mais de 780 mil famílias já receberam o Auxílio Emergencial Mineiro; custo é de R$ 470 milhões
Preço do botijão de gás pode chegar a R$ 135 em Belo Horizonte