A retomada econômica do turismo em Minas só deve acontecer a partir do ano que vem, segundo avaliação da analista de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG), Milena Soares. Apesar da projeção, ela diz que o setor está caminhando e voltando a crescer gradativamente.

As restrições sanitárias de outros países em relação aos brasileiros e o avanço da vacinação contra a Covid-19 ajudaram a modificar o perfil do turismo. Como consequência, as viagens domésticas, ou seja, dentro do Brasil, estão em alta

Bom para os destinos turísticos mais procurados pelo país. Os empresários do setor em Minas Gerais estão otimistas, pois, depois de muito tempo em isolamento social, o turista agora busca experiências, expertise que muitas cidades mineiras já tem consolidada. 

 Milena explica que, desde junho, o setor vem registrando avanço no volume de receita. “Ter quatro Patrimônios Históricos da Humanidade - Ouro Preto; o centro histórico de Diamantina; o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas; e o Conjunto Moderno da Pampulha, em Belo Horizonte -, a capital ter recebido o título de Cidade Criativa da UNESCO pela Gastronomia e o estado ser o único destino brasileiro na lista das regiões mais acolhedoras do planeta, segundo o ranking global da premiação Traveller Review Awards 2021, fazem a diferença, e os turistas querem conhecer”, conta Milena.  

A tendência é que todos os serviços ganhem dinamismo, mas, especialistas e empresários do setor são cautelosos e só esperam a recuperação econômica de toda a cadeia de turismo em Minas para 2022.  

Acompanhe a entrevista na íntegra. 

Leia Mais:​
Defesa Civil fará novo treinamento de enchente e inundação na avenida Vilarinho neste sábado
Leilão do aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, ocorre na próxima semana