O líder de uma organização criminosa que aplicava golpes de falso consórcio foi preso nesta segunda-feira (27), em São Sebastião do Paraíso, Sul de Minas. O grupo é acusado de movimentar até R$ 5 milhões e pode ter feito mais de 100 vítimas.

A prisão fez parte da operação 'Azar Certo', deflagrada pela Polícia Civil. Além da detenção do homem, de 34 anos, foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão em São Sebastião do Paraíso, além de Ubá e Juiz de Fora, também na Zona da Mata, e, ainda, em Marataízes, no Espírito Santo.

De acordo com a investigação, o grupo aplicava golpes nos ramos de veículos, construção civil e loteamentos. Por meio de empresas, a quadrilha captava clientes e vendia consórcios falsos. Lances ou parcelas eram pagos, mas o prêmio contratado nunca era entregue.

A quadrilha já havia atuado em Marataízes. Informações levantadas durante a operação indicam a montagem de um serviço semelhante a um call center na cidade capixaba. O objetivo era expandir o negócio a nível nacional. A investigação também aponta que o chefe do grupo adquiria bens e registrava em nome de "laranjas".

De acordo com Deise Fernandes, delegada que presidiu a fase inicial da investigação, as pessoas que fizeram negócio com empresas ligadas ao grupo e se sentem lesadas devem buscar uma delegacia da Polícia Civil para que as providências sejam tomadas.

Leia mais:
Operação Mata Atlântica em Pé fiscaliza 156 propriedades em MG e aplica R$ 27 milhões em multas
Quadrilha é presa suspeita de aplicar golpes em concessionárias de BH e Região Metropolitana