Pelo menos 50 mil pessoas de oito das 34 cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte estão com a segunda dose da vacina contra a Covid-19 atrasada. O alto número de moradores com a imunização incompleta preocupa as prefeituras, que fazem busca ativa para aplicar o reforço em quem ainda não tomou, já que ele é fundamental para barrar o avanço da variante Delta. 

Na capital, que está na reta final da campanha de imunização da população adulta, 25 mil belo-horizontinos ainda não foram aos postos para tomar o complemento da CoronaVac. No caso da AstraZeneca, são 12 mil. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), durante visitas domiciliares, as equipes conferem a situação vacinal, ação que também é realizada nos atendimentos nos centros de saúde e por contato telefônico.

Contagem

O mesmo cenário se repete na vizinha Contagem, que já protege a população de 18 anos desde o fim de semana. No município, cerca de 3 mil pessoas estão com a dose complementar pendente. Em Betim, também na Grande BH, o número chega a 6,7 mil cidadãos. Por lá, a fila chegou aos jovens de 21 anos.

Em Ribeirão das Neves, que deve concluir a campanha na quinta-feira, 1,5 mil cidadãos não procuraram o reforço, apesar da busca ativa realizada pelos profissionais da atenção primária e dos alertas nas redes sociais da administração municipal. 

No município de Sabará – que vacina aqueles com 22 anos – são 1,2 mil pessoas nessa mesma situação, enquanto em Ibirité, que imuniza quem tem 23 anos, o total é de 1,1 mil. Baldim (28 anos) e Raposos (18 anos) têm, cada um, cerca de 80 moradores sem a dose de reforço.

Proteção eficaz

O professor de genética da UFMG Renan Pedra lembra a necessidade de a população tomar a segunda dose da vacina. “Os números de proteção vacinal são acima de 90% para casos graves, quando se tem as duas doses. Para uma, não são suficientes. Por isso, as duas são necessárias”.

Além disso, o especialista afirma que o reforço garante proteção maior contra a mutação Delta do coronavírus, originária na Índia, e em ascensão em Minas. “É essencial que consigamos a imunização completa dessas pessoas, já que estamos lidando com um cenário de maior transmissibilidade dessa variante”, alerta.