A Secretaria Estadual de Saúde (SES) confirmou, nesta sexta-feira (27), mais duas mortes provocadas pela variante Delta da Covid-19 em Minas Gerais. Agora são quatro óbitos em decorrência da cepa originária da Índia, versão mais contagiosa do coronavírus. 

As novas vítimas eram moradoras de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e Claro dos Poções, no Norte do Estado. Os outros dois casos foram registrados em Rio Novo, na Zona da Mata, e Uberaba, no Triângulo. Todas as vítimas eram mulheres e tinham entre 56 e 86 anos. 

Atualmente, 102 casos da cepa estão confirmados em Minas e a idade das vítimas varia entre 8 e 93 anos. Um total de 56 casos do sexo feminino (55%) e 46 casos do masculino (45%). 

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, a tendência é que nas próximas semanas os números aumentem ainda mais. “Parte delas classificamos como prováveis, mas agora já consideramos Delta”, explicou o médico. 

A secretaria esclareceu ainda que, para o Ministério da Saúde (MS), só pode ser classificado como caso confirmado, aquela amostra que passou pela pesquisa de sequenciamento do genoma viral completo. Os casos classificados como prováveis são aquelas amostras que foram analisadas a partir de outras metodologias disponíveis como o sequenciamento de Sanger ou RT-PCR Diferencial, ambas são de análise parcial do genes.

"A SES-MG reforça que trata-se de uma diferença metodológica. Para as ações de vigilância epidemiológica, a classificação dos casos não interfere. A Secretaria realiza o acompanhamento e monitoramento de todos os casos associados às variantes de atenção".

A secretaria afirmou também que segue investigando os casos, junto aos municípios, para avaliação clínica e epidemiológica dos pacientes e impedir a circulação do vírus entre os moradores. "Importante ressaltar que a SES-MG tem ampliado as ações de vigilância genômica do coronavírus e realizado um monitoramento rigoroso dos casos suspeitos da variante, a fim de coibir a disseminação da mesma no Estado", informou a pasta.

Outra estratégia adotada por Minas é acelerar a vacinação. "É imprescindível que a população, que integre os grupos prioritários do Programa Nacional de Imunizações (PNI), não deixe de procurar uma unidade de saúde para a vacinação contra a Covid-19, sem esquecer do reforço da segunda dose, já que só com o esquema completo é possível reduzir a transmissão da doença e evitar a forma grave da doença", reforçou.

O governo de Minas ainda declarou que pediu ao Ministério da Saúde o envio de doses adicionais para atendimento aos municípios do Estado. "A SES-MG tem reforçado as recomendações sanitárias como o uso correto de máscaras, lavagem das mãos com frequência e evitar aglomerações".

Delta

A variante Delta do coronavírus (B.1.617), identificada pela primeira vez na Índia em outubro do ano passado, preocupa especialistas, países e entidades internacionais, além de brasileiras.

Um documento divulgado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão de saúde dos Estados Unidos responsável pelo combate às pandemias, informou que a variante delta é tão transmissível quanto a catapora.

Isso significa que a nova versão se espalha mais que o ebola, todas as versões anteriores do coronavírus, a gripe comum e a varíola.

Leia Mais:
40% da população de BH tomou as duas doses da vacina contra Covid-19
Subprocuradora defende prisão domiciliar para Roberto Jefferson
Banco Central adia terceira fase do open banking para 29 de outubro