Cafeicultores mineiros afetados pelas geadas que atingiram o Estado nos últimos meses deverão receber um apoio de R$ 1,35 bilhão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A informação foi divulgada pelo governo de Minas nesta sexta-feira (13).

De acordo com o Executivo, o auxílio virá do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), da pasta federal. O compromisso da União foi firmado após encontro do governador Romeu Zema (Novo) com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, nesta sexta em Brasília (DF).

A secretária de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini, também participou da entrega do ofício à União com demandas para apoio aos cafeicultores mineiros. Segundo ela, além do valor do Funcafé, o Banco do Brasil também reservará um montante para atender ao setor.

"Também fizemos um pedido em relação aos investimentos realizados pelo produtor, sobretudo no setor de maquinário. Para aqueles produtores com dívidas com vencimento de curto prazo, e que perderam a lavoura, o pedido é que essas parcelas sejam suspensas e alongadas para o final do financiamento", explicou Ana Valentini.   

Ações em andamento

Por fim, o Estado também informou que fez demandas de crédito e custeio, com o objetivo de reduzir a taxa de juros (inclusive do Funcafé) para o custeio da safra 2021/2022, com liberação de linha específica de crédito para recuperação das lavouras danificadas, com carência mínima de três anos e mais sete anos para pagamento.

Conforme o governo, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater) anunciou a padronização de modelo de laudo técnico para avaliação das áreas de café afetadas pela geada. O modelo foi disponibilizado para as cooperativas e federações.

"A produção de laudos a pedido de agricultores e prefeituras será feita gratuitamente para os pequenos produtores, enquanto os médios e grandes precisarão pagar pelo serviço", explicou o governo. Esses laudos são necessários, sobretudo para produtores cuja atividade possui financiamento bancário acompanhado de seguros em caso de intempéries climáticas.

Geadas

A geada que atingiu as lavouras mineiras foi uma das mais intensas já registradas no Estado. Segundo levantamento preliminar da Emater-MG, a estimativa é de que pelo menos 9.540 produtores foram afetados. A região do Sul de Minas foi a mais atingida, já que 77,8% dos 170 municípios afetados pela geada ficam nesta região.

Em seguida, estão as regiões do Triângulo e Alto Paranaíba, que, juntas, tiveram 21% de todas as cidades afetadas pela intempérie. De acordo com o relatório, estima-se que a geada afetou aproximadamente 173,7 mil hectares, o que corresponde a 19,1% da área ocupada com cafeicultura na região abrangida pelo levantamento.

Leia mais:
Estado leiloa antiga fábrica de sapatos na Linha Verde por R$ 20 milhões
Em oito meses, BH já identificou mais morcegos com o vírus da raiva que o ano passado todo
Oito cidades mineiras já vacinaram 100% dos adultos contra Covid-19 em primeira dose; veja quais