Novas regras para as cirurgias eletivas em Minas foram apresentadas nesta quinta-feira (22) durante reunião do Comitê Extraordinário Covid-19. Hospitais particulares foram autorizados a retomar os procedimentos a partir da publicação de uma resolução por parte da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Com a mudança, a expectativa é reduzir a fila de espera na rede particular. Já no SUS, o retorno poderá ocorrer no momento em que se comprovar estoque de pelo menos 30 dias do kit intubação. 

No entanto, as unidades de saúde localizadas nas macrorregiões em cenário desfavorável seguem impedidas de realizar esse tipo de cirurgia. A deliberação do comitê deverá ser alterada nos próximos dias.

A suspensão foi determinada devido à pressão por leitos de UTI e pelo baixo estoque dos medicamentos para intubação no país. Segundo o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, a preocupação atual é em relação aos atrasos que a pandemia gerou neste tipo de cirurgia.

Desde o início de junho, a pressão por leitos de terapia intensiva vem caindo no território mineiro. Neste período, a fila por internação caiu quase quatro vezes. Atualmente, 64 pessoas com a forma grave do coronavírus aguardam por uma vaga de UTI Covid em Minas.

*Com informações de Agência Minas

Leia mais:

Fila da internação por Covid-19 caiu quase quatro vezes em Minas desde junho, diz Estado
Incidência da Covid-19 cai 11% em Minas nas últimas duas semanas