Com o avanço da vacinação, a média de idade dos pacientes internados com Covid-19 em Belo Horizonte caiu significativamente em seis meses e chegou a 49 anos. Antes do início da campanha, em janeiro, era de 60. Os dados são da Central de Internação e do Sistema de Informação do Plano Nacional de Imunização (PNI).

Segundo a prefeitura, o número demonstra a eficácia e a importância da vacinação para controlar a circulação do novo coronavírus no município. “Os dados epidemiológicos da doença nas últimas semanas vêm apresentando tendência de queda. Podemos atribuir estes resultados à vacinação”, explicou o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto.

A capital mineira já protegeu 53% do público-alvo com a primeira dose ou aplicação única. Desse grupo, 19% dos moradores tomaram o reforço. Dos imunizantes administrados na cidade, 40% foram da AstraZeneca e 48% da CoronaVac. 

Diante da polêmica sobre a escolha de qual produto tomar, Jackson afirmou que isso é impossível em BH, pois é pré-determinado pelo Ministério da Saúde qual vacina será aplicada em cada grupo. 

 “A CoronaVac é tão eficaz quanto a Pfizer e a AstraZeneca em prevenir a doença e os óbitos. Então, não há por que escolher vacina. A boa é aquela que está no braço”, acrescentou o gestor, em entrevista ao Hoje em Dia.

Em nota, o Executivo municipal reforçou que quem já foi convocado para receber a primeira ou a segunda dose deve procurar um posto de saúde para se imunizar. Os endereços podem ser verificados no portal da PBH (clique aqui).

Leia mais:

Torcida não volta aos estádios antes dos estudantes às salas de aula, diz secretário de Saúde de BH
Casal acusado de tomar três vacinas pode ser julgado por estelionato e pagar multa de R$ 2 milhões