A moradora que teria criticado a vitória de uma jovem negra em um concurso de beleza de Santo Antônio do Amparo, no Sul de Minas, neste mês, foi indiciada pela Polícia Civil nessa terça-feira (22). Em áudio que circulou nas redes sociais, a suspeita teria dito que "os 'preto' que estão mandando em tudo" (leia abaixo na íntegra).

De acordo com a corporação, a mulher prestou esclarecimentos e confessou a autoria do áudio, mas negou que o intuito do mesmo fosse ofender ou magoar terceiros. Segundo ela, a intenção era discutir a política de cotas em um grupo familiar. Em vídeo, o delegado responsável comenta o caso.

O inquérito, aberto na semana passada, foi concluído nessa terça-feira. O indiciamento da suspeita foi feito pelo crime previsto no artigo 20 da Lei 7.716/89, que é caracterizado por "praticar, induzir ou incitar, pelos meios de comunicação social ou por publicação de qualquer natureza, a discriminação ou preconceito de raça, por religião, etnia ou procedência nacional". 

O indiciamento da suspeita foi encaminhado ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que avaliará se aceita ou não a denúncia. Se aceitar, o mesmo será repassado à Justiça, que também avaliará a oferta. Novamente, em caso de aceitação da denúncia, o juiz definirá a pena da mulher. Conforme a legislação, a pena para crimes previstos no artigo 20 da Lei 7.716/89 é de reclusão de um a três anos e multa.

"Gente, eu estava na roça, e agora que eu vi o resultado. Eu vou contar uma coisa para vocês: esse negócio de inclusão social está f***, boba. É os 'preto' que estão mandando em tudo, mesmo. É cota na escola, é cota aqui, é cota ali, e os 'branco' está tudo levando tinta. Da próxima vez nós tem que pular num tanque de creolina e sair tudo pretinha. Aí pode candidatar a qualquer coisa que ganha", teria afirmado a mulher, em áudio que circulou nas redes sociais.

Leia mais:
UFMG abre vagas de estágios para Língua Estrangeira e TI; veja como participar
Contagem amplia vacinação para pessoas com 47 e 48 anos e população de rua
Atingidos pela tragédia em Brumadinho criticam divisão de recursos com a construção do Rodoanel