Municípios mineiros que já vacinaram pessoas com comorbidades e têm doses para esse público sobrando podem avançar na imunização de outros grupos prioritários. A recomendação foi publicada pelo governo estadual nesta sexta-feira (28). A orientação é para que as localidades comecem a proteger o quanto antes professores e trabalhadores da educação, portuários e aeroportuários e moradores de rua, seguindo a ordem e os critérios do Plano Nacional de Imunização (PNI).

Secretário de Estado de Saúde, Fábio Bacchereti disse que um memorando foi enviado às prefeituras. “Para dar legitimidade a esta expansão da vacinação, foi feito um memorando circular orientando que os municípios que já vacinaram os grupos de comorbidades e sobraram doses em seu estoque, que avancem no processo seguindo a ordem do PNI. Com isso, nós vamos evitar que as doses de vacinas fiquem paradas e, consequentemente, acelerar o processo de imunização ampliando o grupo vacinal”, afirmou.

De acordo com a publicação, as cidades que já atenderam os grupos com comorbidades e ainda contam com disponibilidade de doses poderão ampliar para os próximos públicos-alvo, como pessoas com deficiência permanente (18 a 59 anos) sem cadastro no Benefício de Prestação Continuada (BPC); pessoas em situação de rua (18 a 59 anos); funcionários do Sistema de Privação de Liberdade, desde que realizado na unidade de saúde; completar 100% das Forças de Segurança, salvamento e armadas; e trabalhadores da educação do ensino infantil (creche, pré-escolas), seguindo as faixas de idade de 55 a 59 anos, 50 a 54 anos, 45 a 49 anos, 40 a 44 anos.

Leia Mais:
Minas amplia fiscalização de passageiros vindos do exterior após caso de variante indiana no estado
Barroso vai relatar ação contra medidas restritivas de três estados