Um homem de 30 anos, apontado como um dos líderes de organização criminosa especializada no “golpe do motoboy”, foi preso pela Polícia Civil em Bertioga, cidade do litoral de São Paulo. O suspeito é investigado por aplicar golpes em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A operação, realizada na última quarta-feira (19), também cumpriu busca domiciliar, possibilitando a apreensão de dois veículos de luxo, um deles avaliado em R$ 200 mil, uma moto aquática, três aparelhos celulares, um notebook, entre outros objetos.

No golpe, estelionatários se passam por funcionários de bancos e entram em contato por telefone com as vítimas, geralmente idosas, e dizem que foram feitas compras com os cartões delas. 

Como elas não reconhecem as transações, os golpistas coletam dados, incluindo senhas, e as orientam a devolver os cartões para serem periciados. Outro envolvido vai à casa da vítima para recolher o material. A partir daí, começam as movimentações fraudulentas.

Investigações

De acordo com o delegado Daniel Balthazar Coutinho, as investigações começaram com a prisão em flagrante de uma pessoa, na capital mineira, em junho do ano passado. Na ocasião, foram identificadas quatro vítimas, que sofreram um prejuízo estimado em R$ 60 mil. 

“Esse indivíduo buscava os cartões bancários na casa das vítimas. Já o investigado preso em São Paulo era responsável por passar as informações àqueles que iam pegar os cartões”, explicou.

Uma terceira pessoa, de Vespasiano, na Grande BH, também é investigada por envolvimento nos casos ocorridos em Nova Lima. Conforme apurado, ela recebia os dados e realizava compras on-line. O suspeito preso no litoral paulista já está no sistema prisional de Minas. 

“Ele poderá responder pelo crime de estelionato, podendo a pena ser aplicada em dobro pelo fato de as vítimas serem idosas – identificamos que elas têm idades acima de 65 anos – em concurso com o crime de lavagem de dinheiro”, afirmou o delegado.

Leia mais:

Morte de MC Kevin foi um acidente, aponta laudo da perícia policial
Gilmar Mendes defende atendimento dos juizados especiais federais