O Instituto Mano Down lançou, nesta quinta-feira (20), uma "vaquinha virtual" para a ampliação da nova sede da organização, maior e mais moderna (veja abaixo), no bairro Floresta, região Leste de Belo Horizonte. A casa, voltada para pessoas com síndrome de Down, prevê aumento de até 700% na capacidade de atendimento. A inauguração do novo espaço está programada para ocorrer em fevereiro de 2022.

Atualmente, a entidade funciona na rua Japão, no Alto Barroca, Oeste da capital, e atende mais de 350 pessoas com a síndrome e outras deficiências intelectuais. De acordo com a instituição, a mudança para um local maior terá um custo estimado em R$ 3 milhões e a campanha "Avante Mano Down" visa buscar recursos, por meio de doações, apoios e parcerias, além de frentes de investimentos (participe aqui)

Conforme o Mano Down, todos os doadores receberão uma contrapartida pela contribuição. Empresas, por exemplo, poderão ter o direito de uso de nome para espaços específicos dentro do projeto e até a participação no programa Selo Empresa Amiga do Mano Down – premiação oferecida para ativistas da causa da inclusão.

Para os demais doadores, as contrapartidas vão desde acesso à conteúdos exclusivos do instituto, participação na inauguração do projeto e registrar o nome no "Muro da Inclusão", que será instalado na nova sede.

Instituto Mano Down

Projeção da nova sede: espaço poliesportivo

Nova sede: ecossistema de inclusão

Segundo o Mano Down, a nova sede será um ecossistema de inclusão, com infraestrutura expandida e inovações tecnológicas, como a implementação da sala sensorial 6D - considerada uma das maiores inovações em terapias e só existente em pouco menos de 10 locais no Brasil atualmente.

A mudança deverá permitir aumento de mais de 700% em atendimentos assistenciais e de saúde (intervenção precoce), com fisioterapia, terapia ocupacional, fonoterapia, hidroterapia e outras atividades, somando 12 frentes de desenvolvimento para bebês e crianças.

Para os jovens e adultos, a expectativa é um crescimento de 400% da capacidade de assistência, com novas atividades e frentes de atuação, contando com um espaço poliesportivo para realização de atividades culturais, esportivas, de mobilização para autonomia e inclusão no mercado de trabalho.

"O nosso objetivo é trocar a palavra exclusão, por oportunidades. Queremos ter um ecossistema em que todos possam conviver, socializar, aprender e se desenvolver. Queremos impactar não somente as famílias atendidas, mas, sim toda a comunidade onde estamos inseridos, humanizando espaços e criando novas possibilidades. Queremos um espaço de todos e para todos, pois somente assim é que a inclusão pode acontecer", explicou Leonardo Gontijo, presidente e fundador do Mano Down.

O lançamento do projeto de ecossistema de inclusão ocorrerá às 19h desta quinta-feira (20), com transmissão pelo YouTube. Veja aqui

Instituto Mano Down

O Instituto Mano Down é uma organização sem fins lucrativos, que nasceu em 2011 do desejo de dar "vez e voz" para as pessoas com Down e de criar oportunidades para que elas possam ser reconhecidas por suas capacidades.

Instituto Mano Down

Atual sede funciona na rua Japão, no Alto Barroca

A história surgiu do amor de Leonardo pelo irmão caçula dele, o Eduardo - também conhecido como Dudu do Cavaco - que tem a síndrome de Down. 

Realizado na Casa Modelo, atualmente localizada no bairro Alto Barroca, o trabalho do Instituto contempla todas as fases de vida da pessoa com deficiência – bebês, crianças, jovens, adultos e idosos. 

As ações incluem: acolhimento das famílias, intervenção precoce de saúde (fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia), inclusão escolar, oficinas culturais e esportivas, mobilização para autonomia, inclusão no mercado de trabalho e envelhecimento saudável.

Para mais informações sobre o Instituto, acesse: www.manodown.com.br.

Leia mais:
Anvisa pede à população que comunique reações adversas de medicamentos, tratamentos e vacinas
STF adia decisão sobre demissão em massa sem negociação sindical
Quais os fatores de risco do glaucoma? Como prevenir a doença? E o tratamento? Confira vídeo