Onze municípios mineiros, incluindo BH, são alvo de uma ação da Polícia Federal (PF) que combate fraudes no auxílio emergencial, benefício pago pelo governo em decorrência da pandemia da Covid-19. A nova fase da operação Subitis Auxilium 2.0 é realizada terça-feira (11).

Ao todo, 60 policiais cumprem 14 mandados de busca e apreensão. A PF também obteve o bloqueio de 39 contas bancárias de empresas, além de 13 medidas cautelares que visam a prisão dos envolvidos. As medidas foram expedidas pela 11ª Vara Federal da capital. 

Segundo a PF, foram identificadas fraudes de alta complexidade no pagamento do auxílo emergencial. Conforme a corporação, os criminosos utilizaram modelos sofisticados de execução. As informações foram possíveis após o cruzamento de dados pela Caixa Econômica Federal.

“Foi possível identificar beneficiários de valores oriundos de contas contestadas por fraude junto à Caixa e que foram utilizados para efetuar diversas compras em estabelecimentos comerciais, por intermédio de máquinas de cartão de crédito/débito e compras virtuais, com indícios de conivência por parte de seus responsáveis legais e/ou funcionários”, informou a PF.

Além de BH, as ações ocorrem em Betim, Ribeirão das Neves, Sabará e Santa Luzia, na região metropolitana; Ituiutaba, Nova Serrana e Carmo da Mata, no Centro-Oeste; Jacutinga, no Sul de Minas, e Uberlândia, no Triângulo.

A operação é realizada com a participação dos ministérios Público Federal (MPF) e da Cidadania (MCid), Caixa, Receita Federal (RF), Controladoria-Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU).

Leia mais:
Mesmo com nova remessa, BH ainda precisa de 53,8 mil doses da CoronaVac para vacinação de idosos
Minas Gerais tem apenas 30 cidades sem registros de mortes por Covid-19

Belo Horizonte registra aumento nos três indicadores da pandemia durante o fim de semana