Minas receberá 155.760 medicamentos do chamado "kit intubação" nos próximos dias. O Ministério da Saúde informou que a maior parte dos farmácos vem de doação da Espanha. Ao todo, mais de 500 mil remédios serão distribuídos a 14 estados e Distrito Federal.

Os insumos, como analgésicos, sedativos e bloqueadores neuromusculares, são essenciais para pacientes infectados com o novo coronavírus que precisam ser intubados. Sem eles, o doente pode acordar e não suportar o procedimento invasivo de respiração artificial. Há registros de pessoas no país que, após o fim do efeito dos sedativos, precisam ser amarradas às macas para continuarem o tratamento.

De acordo com a pasta nacional, a divisão das remessas foi determinada a partir dos estoques. "O Ministério da Saúde levou em consideração também o Consumo Médio Mensal da cobertura referente a semana 44 atualizada pelo Conselho Nacional de Secretário de Saúde (Conass), além do quantitativo a ser entregue na distribuição anterior", informou, em nota.

Dessa forma, Minas será, entre os 14 estados, o que mais irá receber os medicamentos. Na sequência, a Bahia, com 101.600 e o Rio de Janeiro, 66.500. Veja a lista completa:

  • Alagoas: 4.140
  • Amapá: 15.930
  • Amazonas: 780
  • Bahia: 101.600
  • Distrito Federal: 70
  • Goiás: 19.390
  • Mato Grosso do Sul: 39.328
  • Minas Gerais: 155.760
  • Pará: 20.380
  • Paraíba: 4.785
  • Rio de Janeiro: 66.500
  • Rio Grande do Norte: 12.440
  • Rondônia: 68.639
  • Roraima: 3.161
  • Sergipe: 12.900
  • Total: 525.803

Ainda conforme o Ministério da Saúde, a doação foi realizada por meio da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID). O Ministério das Relações Exteriores coordenou a operação em parceria com o Ministério da Saúde, Anvisa, Receita Federal e embaixadas do Brasil em Madri e da Espanha em Brasília.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) para saber se os medicamentos já chegaram a Minas e para onde serão redistribuídos, e aguarda retorno.

Leia mais:
Retorno presencial de alunos de 6 a 8 anos dependerá de indicadores da pandemia, afirma PBH
Sputnik V: Anvisa diz que atua com ética e respeito com as empresas
SP: estudo mostra queda do número de nascimentos no estado em 2020