Comerciantes abriram as portas neste sábado, 1º de Maio, em Belo Horizonte. A expectativa era de que o feriado aumentasse o números de consumidores nas ruas. Pelas ruas do hipercentro, a manhã teve movimento tímido, mas foi aumentando com o passar das horas.

Segundo a gerente da loja Fujicel (que vende artigos de telefonia, na Praça 7), Jeniffer Stefani, o movimento deste sábado foi bastante fraco pela manhã. A comerciante aponta que o consumidor ainda está receoso de sair de casa. E aqueles que saem estão priorizando a compra de alimentos.

Comércio em Belo Horizonte

Jeniffer, gerente de uma loja de acessórios para celular, afirma que o movimento está abaixo do que foi regestrado na reabertura anterior

“Na última abertura, o movimento foi maior aos sábados. Hoje, abrimos para tentar recuperar os dias em que estivemos fechados, mas o movimento está bem aquém. O que ajudou foram os manifestantes (da carreata em apoio a Bolsonaro), que acabaram vindo à loja”, comenta a lojista.

Comércio em Belo Horizonte

Movimento alto no Mercado Central, no hípercentro de BH

E a percepção do comerciante sobre a prioridade do que comprar faz sentido. Por volta das 12h, a reportagem do Hoje em Dia registrou um grande movimento do Mercado Central. Muitos consumidores foram até o estabelecimento, tradicional ponto de vendas de produtos alimentícios.