O auxílio emergencial às famílias em extrema pobreza passará de R$ 500 para R$ 600. Nesta sexta-feira (30), a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou em 2º turno o projeto de lei que visa a recuperação econômica do Estado. O valor será pago em parcela única a cerca de 1 milhão de mineiros. Nessa quinta (29), o governador de Minas, Romeu Zema (Novo), declarou que fará a sanção do PL assim que recebê-lo.

O PL 2.442/21, chamado de Recomeça Minas, é de autoria dos próprios deputados estaduais. Na manhã desta sexta, o presidente da Casa, Agostinho Patrus (PV), comemorou a aceitação da proposta em segundo turno. "R$ 600 serão destinados para mais de 1 milhão de famílias em extrema pobreza. Fôlego real para quem, muitas vezes, sequer tem o que comer", disse, no Twitter.

Na ocasião, Patrus criticou Zema por, segundo ele, se apropriar indevidamente do projeto de lei. Na noite dessa quinta, o chefe do Executivo estadual fez postagens na internet defendendo o projeto.

PL 2.442/21

Além do auxílio de R$ 600, chamado de "Força Família", o projeto também prevê incentivos para diversos setores da economia, além de descontos no pagamento de impostos e ICMS zerado sobre produtos da cesta básica.

De acordo com Zema, o auxílio de R$ 600, em parcela única, será voltado para pessoas em situação de extrema pobreza, com renda per capita de até R$ 89.

Leia mais:
PBH abre cadastro para vacinação contra Covid-19 de pessoas com comorbidades; veja quem tem direito
Contas públicas têm superávit de R$ 4,981 bilhões em março
Presidente da ALMG critica Zema por 'se apropriar' da criação do auxílio emergencial