O prefeito Alexandre Kalil (PSD) sancionou, nesta quarta-feira (28), a lei que autoriza a participação de Belo Horizonte no Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras (Conectar)para aquisição de imunizantes contra a Covid-19. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Município (DOM).

O Projeto de Lei havia sido aprovado em segundo turno na Câmara Municipal de BH no último dia 13 de abril. O texto sancionado pelo chefe do Executivo municipal ainda autoriza a compra de medicamentos, insumos e equipamentos para a área da saúde e enfrentamento da pandemia.

Criado em 22 de março pela Frente Nacional de Prefeitos, o Conectar já reúne mais de 2,5 mil prefeituras de todo o Brasil. Além de Belo Horizonte, outras cidades da Região Metropolitana, como Contagem e Betim, também já integram o grupo.

No último dia 13, o consórcio divulgou a intensão de compra de 30 milhões de doses da vacina Sputnik V, que seria feita ainda no mês de abril. Era prevista a chegada de 5 milhões de imunizantes entre maio e junho deste ano e os demais chegariam até dezembro.

A Sputnik V, porém, teve o pedido de uso emergencial e importação negados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que considerou que o imunizante pode trazer riscos à saúde. Além disso, foram apontadas falhas e pendências na documentação apresentada pelo fabricante.

Tentativa de negociação

No início deste mês, o prefeito da capital mineira informou que estaria tentando negociar diretamente com a sede da farmacêutica AstraZeneca a compra das vacinas da empresa em parceria com a Oxford. Na ocasião, Kalil afirmou que a Prefeitura de BH tentava comprar 4 milhões de doses de "todos os laboratórios", mas que não havia vacina disponível para compra. 

Até o momento, BH já recebeu do governo federal a quantia de 951.010 doses, sendo 902.958 já distribuídas aos postos de imunização da cidade. 

Leia mais:
Óbitos por Covid-19 Crescem 123% em BH com a circulação de novas variantes
Pessoas vacinadas contra a Covid não precisam fazer exames para detectar anticorpos
Minas Gerais investiga 150 casos de reinfecção por Covid-19