O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, anunciou, nesta segunda-feira (19), uma nova flexibilização no comércio. As determinações, segundo o chefe do Executivo, passarão a valer na quinta-feira (22), depois do feriado, seguindo restrições sanitárias.

Segundo Kalil, a intenção era ter aberto a cidade na última quarta-feira (14). Porém, após intervenção do secretário de Saúde, Jackson Machado, e do grupo de infectologistas do Comitê de Enfrentamento à Covid, o mandatário mudou de ideia.

“Fizemos uma reunião. E contra a ciência não há, e aqui na prefeitura nunca houve, achismo. Quando os infectologistas, o secretário de Saúde colocaram os números na mesa e me demonstraram que era uma temeridade, e nós poderíamos aguardar mais uma semana, que teríamos os números concretos, me rendi à ciência”, afirmou o prefeito.

De fato, os indicadores que monitoram a pandemia apresentaram melhoras. Segundo Machado, o índice de transmissão do vírus em BH chegou a 0,90, o que significa dizer que 100 pessoas transmitem a doença a outras 90. Além disso, a taxa de ocupação das terapias intensivas e das enfermarias caiu, chegando a 81,1% e 58,9%, respectivamente.

“Tudo que está acontecendo, em grande parte, é em razão do esforço feito pelo comércio. Me desculpe, mais uma vez aos bares, restaurantes, comerciantes, donos de shopping. Ninguém ficou mais aflito que nós”, disse Kalil.

Mesmo com os bons resultados levantados pelas autoridades de saúde, o chefe do Executivo não descarta novo fechamento caso o número de casos volte a aumentar na cidade. “Hoje nós temos um conforto para esse tipo de abertura em Belo Horizonte. Essa intermitência de abre-e-fecha não acaba se não houver disciplina. Então isso é um trabalho conjunto da fiscalização rígida”.

Além disso, ele voltou a alertar a população sobre a necessidade de manter o isolamento social e cumprir as regras sanitárias. “Quem fecha e quem abre a cidade é a população de Belo Horizonte, com respeito, saindo quando precisa, usando todo o equipamento necessário. Esperamos que isso continue dessa forma, que os números continuem caindo”, concluiu.

Leia mais:

BH autoriza volta às aulas presenciais no dia 26; retorno começa pelo ensino infantil
PBH investe R$ 5,9 milhões na compra de uniformes escolares