Surgido no Reino Unido em 1944 como um estilo de vida, o veganismo tem crescido mundialmente. No Brasil, supermercados e restaurantes já se deram conta da expansão desse mercado. Mesmo sem pesquisas que especifiquem a quantidade de pessoas que deixou de consumir produtos de derivados de animais no país, estima-se que sejam mais de 7 milhões - número expressivo que já apresenta reflexos na indústria alimentícia: 40% de crescimento de linhas veganas.

Nutricionista e mestre em Ciência de Alimentos pela UFMG, Laila Carline Gonçalves Rezende, professora nos cursos de Nutrição e Gastronomia das Faculdades Kennedy e Promove, frisa que os produtos veganos são muito mais caros aqui no Brasil. Porém, feitos em casa, com todos os alimentos frescos, é possível ter uma dieta sem a necessidade de suplementação vitamínica.

Mas, ainda segundo a especialista, é fundamental ter a orientação de um nutricionista na hora de se decidir pela mudança de dieta. Isso porque o veganismo dispensa todos os produtos derivados de animais, como carnes, leite e ovos. Um planejamento com o acompanhamento de um profissional é importante para não ter problemas com vitaminas, minerais e proteínas, essenciais ao corpo humano.

Acompanhe a entrevista na íntegra.

Leia Mais:
Para desintoxicar o corpo e a alma: conheça uma receita de suco para limpar o organismo
Projeto visa divulgar plantas alimentícias não convencionais
Mistura boa no forno: inovações de dar água na boca somam-se às receitas tradicionais de pizza