O corpo da mulher de um promotor de Belo Horizonte, encontrada morta em 2 de abril, foi liberado do Instituto Médico-Legal (IML) nesta terça-feira (13), segundo a família. Ele foi levado para a necropsia por determinação de um delegado, para que as causas da morte fossem investigadas.

A mulher, de 41 anos, foi encontrada dentro do apartamento do casal. Conforme o boletim de ocorrência, o promotor informou aos militares que, pela manhã, percebeu que ela não estava bem e acionou a ambulância de um hospital particular. A equipe médica tentou reanimá-la, sem sucesso. Ainda conforme o BO, o médico, que já a tratava anteriormente, teria declarado a causa primária do óbito como pneumonite, uma inflação nos pulmões que pode ser causada por diversos fatores, ou mesmo que ela poderia ter morrido por intoxicação.

A Polícia Civil e a Procuradoria-Geral do Ministério Público investigam o caso, que corre em segredo de Justiça. Apesar da liberação do corpo, o laudo sobre a causa do óbito deve ser divulgado em sete dias.

O promotor de Justiça, suspeito da morte, está preso em uma unidade do Corpo de Bombeiros da capital mineira. 

O corpo da mulher será enterrado em Barbacena, no Campo das Vertentes, nesta quarta-feira (14).

Leia Mais:
Infectologista e lojistas divergem na véspera de definição da PBH sobre flexibilização
Indicadores da Covid-19 têm melhora em BH, mas ocupação de UTI está em 86,1% e ainda preocupa