Um grupo de manifestantes promoveu um "buzinaço" na Praça Marília de Dirceu, em frente ao prédio onde mora o prefeito Alexandre Kalil (PSD), no bairro de Lourdes, região Centro-Sul de Belo Horizonte, na noite desta quinta-feira (18). 

O protesto foi coordenado por grupos Conservadores em Ação e Mães de Direita, movimentos que se intitulam apartidários e que defendem os valores da família tradicional e são contra o comunismo e o feminismo. Eles pedia o fim do isolamento social e das medidas de restrição impostas pela prefeitura para tentar barrar o aumento dos números de casos e mortes por Covid-19 na capital. Os manifestantes querem a reabertura do comércio.

"As pessoas só querem trabalhar, pais de familia estão desesperados por terem perdido o emprego. Eles não querem auxílio do governo e nem cesta básica. Só querem trabalhar", explicou Raquel Morato, presidente do Conservadores em Ação.

A representante do movimento disse ainda que a manifestação quis chamar a atenção do prefeito e do governador Romeu Zema (Novo) para a adoção do tratamento precoce, que é o uso de remédios cuja eficácia não foi comprovada cientificamente. 

"Enquanto a vacina não chega, a gente defende a adoção do tratamento, assim como fez o prefeito de São Lourenço (no Sul de Minas), que aderiu ao tratamento e reduziu o número de internações no município", frisou Raquel Morato.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa do prefeito, mas até o momento não obteve retorno.

Leia Mais:
BH amplia UTIs para pacientes com Covid-19, mas rede privada já tem até lista de espera por vaga
Vacina de Oxford imuniza contra a variante brasileira de Covid-19
Covid-19: Brasil tem 287,5 mil mortes e 11,78 milhões de casos