A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) confirmou nesta terça-feira (9) que o secretário Carlos Eduardo Amaral foi vacinado contra a Covid-19. O caso e outras denúncias de "fura-fila" são investigados pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Além do responsável pela pasta, assessores de imprensa, funcionários de almoxarifado e outros servidores também teriam sido imunizados.

A 19ª Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde de Belo Horizonte enviou ofício para a SES solicitando "os cargos das pessoas vacinadas e as datas de vacinação, correlacionando essas informações aos grupos prioritários definidos por regulamento do Ministério da Saúde".

Em nota, a secretaria informou que o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 enfatiza que "são trabalhadores dos serviços de saúde todos aqueles que atuam em espaços e estabelecimentos de assistência e vigilância à saúde, sejam eles hospitais, clínicas, ambulatórios, laboratórios e outros locais vinculados à Saúde. A orientação é válida também para trabalhadores de apoio que trabalham nesses locais".

Ainda de acordo com a SES, a decisão foi tomada por deliberação entre os gestores municipais e estaduais por meio da "Comissão Intergestores Bipartite do SUS MG – CIB, de 9 de fevereiro de 2021, que esclareceu que fazem parte dos grupos iniciais prioritários da vacinação os trabalhadores das Secretarias Municipais de Saúde, Secretaria Estadual de Saúde e órgãos estaduais de saúde que, em razão de suas atividades, tenham contato com o público".

A SES informa ainda que a secretaria é a responsável pela organização das políticas e estratégias de enfrentamento à Covid-19 no estado de Minas Gerais e todos os seus funcionários, independentemente de vínculo e formação acadêmica, são trabalhadores da Saúde. "Muitos deles vão a campo, visitam hospitais e fazem viagens relacionadas a políticas públicas na área de saúde, razão pela qual são grupos prioritários".