Mesmo com o novo "lockdown" em Belo Horizonte, donos de comércios considerados não essenciais se arriscaram e abriram as portas no Centro da capital nessa segunda-feira (8). Pelo menos dez dessas lojas foram flagradas pela reportagem do Hoje em Dia funcionando.

quarentena flexibilização

Loja de cosméticos com porta pela metade no Centro de BH nesta segunda-feira (8)

Na última sexta-feira (5), o prefeito Alexandre Kalil (PSD) determinou mudanças na flexibilização para conter o avanço da Covid-19 e optou por voltar à estaca zero. A medida entrou em vigor no sábado (6) e valerá por tempo indeterminado.

Apesar do valor salgado da multa, que é de mais de R$ 18 mil , há quem se arrisque e funcione à meia-porta, uma maneira desesperada de manter o negócio diante da crise do novo coronavírus.

No primeiro dia útil do recuo em BH, o Hoje em Dia flagrou diversos agentes da prefeitura nas ruas do hipercentro. No entanto, nenhuma autuação ou interdição foi vista pela reportagem.

Os comerciantes que puderam abrir acreditam em uma queda no faturamento com a mudança repentina. É o caso de André Martins, de 30 anos, vendedor em uma loja de artigos de construção.

"Eu creio que vai cair um pouco. No meu setor ainda tem um pouco de movimento, então dá para segurar, mas a expectativa é que vai diminuir", afirmou.

Em nota, a Prefeitura de Belo Horizonte esclareceu ter intensificado a fiscalização para garantir o cumprimento do decreto municipal. "Os estabelecimentos que não cumprirem com as medidas de combate à Covid-19 estarão sujeitos à interdição e multa no valor de R$ 18.359,66. Além disso, todo o efetivo da Guarda Municipal está se revezando em turnos para atuar no apoio às ações dos fiscais de Controle Urbanístico e Ambiental", diz o texto.

Ainda conforme a PBH, seis estabelecimentos foram interditados entre a última sexta-feira e domingo. Duas multas foram foram aplicadas. 

O Executivo reforça a participação dos moradores. "A população pode auxiliar o poder público denunciando irregularidades nos canais oficiais da Prefeitura (APP PBH, portal de serviços e telefone 156) e ainda conscientizando seus familiares dos riscos da propagação da doença". 

Recuo

Segundo Kalil, a determinação visa diminuir a ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) da cidade, que chegou a 81% de utilização na última semana, conforme o boletim epidemiológico da PBH. 

Além disso, o aumento do número de casos Covid em crianças preocupa as autoridades municipais de saúde, fator também determinante para as novas regras entrarem em vigor.

Leia Mais:
Prefeitos da Grande BH vão discutir ações de combate à pandemia; Contagem quer adesão à Onda Roxa
Confira o cronograma de vacinação contra a Covid-19 para idosos de 80 a 85 anos que vivem em BH
Novas variantes do vírus e Carnaval impactam pandemia em Minas: 1/4 das cidades em lockdown