O mês de janeiro de 2021 foi o segundo com o maior número de enterros por Covid-19 em Belo Horizonte desde o início da pandemia, em março do ano passado. Segundo dados divulgados pela prefeitura, foram 251 sepultamentos de pessoas que morreram pela doença nos quatro cemitérios municipais da cidade. Uma média de quase 36 enterros diários. O número só é menor do que o registrado em julho de 2020, quando 288 sepultamentos foram realizados.

No total, 1.114 pessoas foram enterradas nos cemitérios municipais no primeiro mês do ano. Quando comparado ao período de 2017 a 2020, o dado também é o segundo maior, atrás apenas de julho, com 1.280. Entre os enterros, 21 foram de pessoas vítimas de doenças respiratórias.

O número foi registrado após uma explosão de casos de Covid-19 registrados na capital mineira em janeiro. Nos primeiros dias do ano, segundo dados dos boletins epidemiológicos divulgados pela PBH – entre os dias 4 e 29 –, foram 24.146 novas confirmações e 346 óbitos.

Após janeiro, agosto de 2020 foi o terceiro mês com mais registros de sepultamentos de vítimas da Covid-19, com 222 enterros, seguido de dezembro, com 174, setembro, com 125 e junho, com 89. 

Enterros em 2020

O levantamento divulgado pela PBH também indica um aumento no número de sepultamentos em 2020, quando relacionado aos anos anteriores, entre 2017 e 2019. Foram 10.954, com uma média de quase 30 enterros diários.

Entre o período da pandemia, nos meses de março a dezembro, foram 9.280. Do total, 1.064 foram por Covid-19 e 345 por doenças respiratórias.

Leia mais:
2ª dose da vacina contra Covid já pode ser aplicada nesta semana em BH, nos profissionais da saúde
Vacina Sputnik V, da Rússia, tem eficácia de 91,6% contra a Covid-19, mostra estudo
Minas investiga 296 denúncias de ‘fura-filas’ da vacinação contra a Covid-19