Belo Horizonte aguarda, para esta sexta-feira (29), uma definição sobre a reabertura do comércio não essencial na capital, fechado desde 11 de janeiro. O prefeito Alexandre Kalil (PSD) e os integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 concedem entrevista coletiva, na tarde desta sexta-feira (29) quando poderá ser anunciado as novas regras de flexibilização.

A expectativa é positiva, uma vez que a metrópole apresenta três dias consecutivos com registro de queda na taxa de ocupação dos leitos de UTI por pacientes com o novo coronavírus, saindo de 86% na segunda-feira (25), quando iniciou declínio, e chegou a 76,4% ne quinta (28). Apesar da queda, o índice segue no nível vermelho do gráfico, ou seja, em estado de alerta máximo.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Marcelo de Souza e Silva, acredita na reabertura imediata das atividades consideradas não essenciais. "Os índices estão em patamares aceitáveis. O único índice é o de leitos de UTI, que a prefeitura está correndo atrás para colocar mais leitos disponíveis. A gente sabe que não são os leitos que resolverão e sim a proteção das próprias pessoas", afirmou.

Além disso, Marcelo explicou que a CDL e outras 23 entidades estão preparadas para a flexibilização e propuseram o reforço de medidas, a serem executadas em conjunto, para o combate à pandemia. Entre elas, estão campanhas de conscientização sobre o uso de máscara e da importância de não se aglomerar, além da atuação de equipes das entidades nos locais com maior concentração e a exigência do álcool em gel.

"A expectativa é que o prefeito veja o sufoco pelo qual está passando o comércio, com muitas pessoas perdendo emprego. BH terá um impacto muito negativo com esse fechamento. Podemos voltar com todos os protocolos e a fiscalização da prefeitura continuar atuando", finalizou.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes Seccional Minas Gerais, Matheus Daniel, também afirmou que acredita nas ações conjuntas das entidades para a retomada das atividades.

"A Abrasel apresentou um termo de compromisso ao Secretário Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão de BH, André Reis, na terça-feira (26), para que os bares e restaurantes possam ser retomados com segurança. A conversa foi muito agradável e eu creio que hoje a gente possa ter boas notícias. A gente espera que a busca por solução conjunta possa permitir a retomada", disse Matheus.

Nesse termo, está previsto, dentre outras coisas, que os empreendedores façam um treinamento sobre os protocolos e regras de combate à pandemia diretamente com o Sebrae Minas. Esse termo seria assinado e seria de porte obrigatório nos bares e restaurantes, assim como os demais documentos de alvará.

"Isso seria uma forma de conscientizar o empreendedor que ele deve seguir as regras. Apesar de as regras estarem no decreto municipal, a gente sabe que a assinatura ajudaria muito psicologicamente. As pessoas ficariam mais comprometidas por terem assinado o termo", declarou.

Boletim epidemiológico

Nas últimas 24 horas, Minas confirmou 6 mil novos casos do novo coronavírus, chegando a 721.967 infectados pela doença desde o início da pandemia, em março do ano passado. 

Em um dia, 120 pessoas perderam a vida pela doença no Estado. Ao todo, 14.819 óbitos já foram contabilizados. Na quarta-feira (27), o território bateu recorde de mortes confirmadas em 24 horas ao atestar 216 vítimas da enfermidade.

O número de recuperados, por outro lado, segue em crescimento. O boletim epidemiológico aponta que 644.186 mineiros já se curaram da enfermidade. Outros 62.962 pacientes seguem em observação, internados ou em isolamento social.

Vacinação 

Até essa quinta-feira (28), 51.293 pessoas já haviam recebido a primeira dose da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 produzida pelo Instituto Butantan, de São Paulo, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, em Belo Horizonte.

Segundo o levantamento, 71.276 doses já foram distribuídas aos 59 postos de imunização, sendo 49 hospitais das redes pública e privada, nove Unidades de Pronto-Atendimento e uma do Samu.

No total, Belo Horizonte recebeu 135.270 doses da CoronaVac. Dessas, 6.882 foram distribuídas pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais diretamente aos hospitais Julia Kubitscheck, Eduardo de Menezes e da Polícia Militar.

(*) Com Anderson Rocha, Gledson Leão e Marina Proton

Leia mais:
Empresas tendem a contratar candidatos com habilidades comportamentais, diz especialista
Mesmo com a pandemia, Minas teve saldo positivo de 32 mil empregos em 2020
Estado lança terceira fase do Minas Consciente e autoriza funcionamento de atividades não essenciais