A Prefeitura de Belo Horizonte continua, nesta quinta-feira (7), o processo de substituição gradativa de 65 dos 154 radares instalados pela cidade. A troca, iniciada em outubro do ano passado, a um custo de R$ 71,6 milhões, foi necessária após o fim do contrato anterior.

De acordo com a gestão municipal, apesar da operação ter iniciado há cerca de três meses, não há previsão de quando os radares trocados entrarão em uso. Isso ocorre porque os equipamentos precisam ser aferidos e homologados pelo Instituto de Metrologia e Qualidade do Estado de Minas Gerais (IPEM-MG) antes de começarem a funcionar.

"As empresas licitadas vão realizando a troca, o IPEM-MG homologa e o equipamento começa a operar. Cada local tem o seu processo e cronograma", informou a BHTrans, em nota. "Pode levar algum tempo por conta do trâmite e o tempo necessário para implantação, aferição e homologação desses novos equipamentos", completou.

Atualmente, BH conta com 154 equipamentos, que são capazes de fiscalizar 151 locais (um ponto pode ter mais de um radar), o que corresponde a 497 faixas sob monitoramento (veja aqui). Entre os tipos de radares, estão os de velocidade, avanço de semáforo, invasão de faixa inclusiva e circulação em área proibida.

A reportagem entrou em contato com o IPEM-MG para saber se o procedimento de homologação está em atraso e aguarda um posicionamento.

Licitação

A contratação do serviço de fiscalização tem um custo de R$ 71.667.943,74 e foi adquirida em licitação pública, feita em março de 2020