Álcool e direção não combinam. Por mais que isso seja dito a todo instante em campanhas educativas, a Polícia Militar Rodoviária (PMRv)  flagrou 1.646 motoristas embriagados nos cinco primeiros meses de 2020, média de 11 autuações por dia. Conforme o levantamento da corporação, em 2019, no mesmo período, foram 1.177 infrações do tipo, representando um aumento de quase 40% neste ano.

De acordo com o major Douglas Guimarães Lima, o aumento no número de casos se deve a ampliação da fiscalização em todo território mineiro por conta do combate ao tráfico de drogas e armas. Além disso, a corporação recebeu um reforço importante para as operações em rodovias no Estado. "A PMRV adquiriu 140 etilômetros passivos, que começaram a ser usados na terça-feira (31). É um ganho muito grande para o policiamento, pois oferece maior agilidade para nós e para o motorista, já que haverá menos tempo gasto na triagem", enfatiza o major.

Segundo o major, diferentemente dos bafômetros convencionais, com o novo aparelho, o motorista não precisa colocar a boca para assoprar. A medição é feita por proximidade, detectando pelo ar se houve ingestão de álcool. Só não é possível medir a quantidade que foi ingerida.

 "Acende uma luz vermelha se houver presença de álcool no ar, e verde se o motorista não tiver bebido. Em caso de confirmação, será necessário fazer o teste com o aparelho convencional", disse Lima, que destaca ainda o custo menor do etilômetro passivo, no valor de R$ 2.070 a unidade, enquanto o convencional sai por R$ 8.500. No caso deste último, ainda é preciso trocar, a cada teste feito, o bocal, que custa, em média R$ 1,50.

Leia também:
Betim inaugura heliponto que poderá ser usado para transporte de pacientes com Covid
Uma das mais tradicionais lojas de BH, Casa Eure fecha as suas portas após 73 anos
Céu londrino em BH: nevoeiro 'esconde' a capital e frio deve predominar no fim de semana