A Justiça mineira decidiu que quatro seguranças que foram acusados de matar o fisiculturista Allan Guimarães Pontelo, dentro de uma boate no bairro Olhos D’água, na região do Barreiro, em Belo Horizonte, vão a júri popular. Isso significa que um conselho de sentença, composto por sete jurados, vai decidir se os suspeitos são culpados ou inocentes do crime, que aconteceu em setembro de 2017.

Um quinto segurança que havia sido denunciado pelo Ministério Público foi considerado impronunciado, ou seja, o juiz não se convenceu dos indícios que sugeriam a participação dele na morte do cliente. A decisão é do juiz Marcelo Rodrigues Fioravante, do 1º Tribunal do Júri da capital.

Segundo o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Pontelo foi abordado por dois seguranças no banheiro da boate após uma denúncia de que estaria traficando drogas no local. Ele foi levado para uma área restrita e, de acordo com as investigações, se recusou a ser revistado e teria sido espancado até a morte. O laudo da necropsia revelou que o fisiculturista morreu por "asfixia mecânica por constrição extrínseca do pescoço”.

Ao pedir a prisão dos seguranças, o MPMG alegou que três dos cinco denunciados tinham o costume de realizar abordagens truculentas aos clientes da boate. De acordo com o Tribunal de Justiça, dois dos suspeitos estão presos, dois estão usando tornozeleira eletrônica e um está foragido. A data do julgamento ainda não foi divulgada.

Julgamento

Três audiências do caso foram realizadas e, no total, 11 testemunhas foram ouvidas. Após esses procedimentos, o juiz Marcelo Fioravante se convenceu de que dois dos acusados foram violentos com a vítima e os outros dois teriam agido para impedir que Pontelo fosse socorrido pelos amigos.

Com relação à impronúncia do quinto segurança, o magistrado disse que todas as testemunhas disseram que ele chegou ao local da abordagem já com o fisiculturista caído no chão. “Não restou demonstrado que o acusado tenha instigado ou determinado a continuidade das agressões”, registrou.

A reportagem entrou em contato com a defesa dos acusados, mas não obteve retorno. 

Leia mais:
Dono de boate em BH diz que fisiculturista traficava drogas no banheiro; acusados negam o crime
Polícia Civil conclui que fisiculturista morto em boate em BH foi vítima de homicídio
Defesa de seguranças diz que laudo de necropsia de fisiculturista indica lesão no pescoço