Um falso médico que atendeu pacientes na UPA São Benedito, em Santa Luzia, é procurado pela polícia. A farsa foi descoberta no sábado (7), depois de uma prescrição errada. Nesta segunda-feira (10), a Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso. Representantes do centro de saúde e da prefeitura da cidade da Grande BH, além de outras testemunhas, já estão sendo ouvidos. 

Por nota, a Secretaria de Saúde informou que investiga se algum servidor do Executivo municipal colaborou com a farsa, já que o nome do homem constava no sistema como o médico plantonista que faria a substituição de uma outra profissional.

"O falso médico não está credenciado na rede, mas teve o nome relacionado na lista dos médicos disponíveis. Isso leva a pensar que ele teve algum tipo de ajuda. O caso está sendo investigado e a pasta aguarda novos desdobramentos", pontuou a secretaria.

Atendimento

De acordo com a prefeitura, na manhã de sábado, o homem, usando jaleco, apresentou-se à portaria da UPA São Benedito como o plantonista do dia. Consta no Boletim de Ocorrência registrado pela Polícia Militar que o falso médico não assinou o controle de entrada, mas que o nome dele estava no sistema.

O homem foi para um dos consultórios e fez dois atendimentos. Um dos pacientes dele foi encaminhado para o setor de medicação e, lá, os enfermeiros desconfiaram do remédio prescrito.

A gerência da UPA foi acionada e levou a receita do farsante para outro médico. O profissional, então, constatou que o procedimento estava errado e que a medicação indicada pelo golpista era incompatível com o quadro clínico do paciente.

Falsidade

O médico e a supervisora da unidade de saúde foram até o consultório onde estava o falso profissional e o perguntaram sobre procedimentos médicos básicos, mas o impostor não soube responder.

Conforme a Secretaria de Saúde, ele alegou trabalhar "também na UPA Centro-Sul e UPA Leste em Belo Horizonte". O médico da unidade percebeu a farsa, determinou que o homem não poderia mais atender e fez novos atendimentos aos pacientes que haviam passado pelo farsante.

O homem foi informado que poderia ter matado um paciente com uma medicação errada e que também poderia ser preso. Ele teria dito que se apresentaria espontaneamente à polícia e deixou o local. Desde então, não foi mais visto. Segundo a PM, as câmeras de segurança da UPA que poderiam ter registrado a entrada não estão funcionando.

Suposta ajuda

A tese de que o golpista teria recebido ajuda de terceiros foi reforçada pois, além do nome dele constar na lista de profissionais autorizados a trabalhar na UPA, uma mulher teria ligado para a responsável pelo centro de saúde, durante a semana, e passado o nome do médico substituto. 

A funcionária da UPA, então, ligou para o suposto médico e ele confirmou que iria fazer o plantão no lugar de outra médica. Depois que a fraude foi descoberta, o celular do suspeito foi desligado.