A Secretaria de Estado de Educação (SEE) determinou a instauração de uma sindicância para apurar a agressão que resultou na morte do estudante Luiz Felipe Siqueira, de 17 anos, nas dependências do Instituto de Educação, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Um laudo será emitido pelo serviço de inspeção da Superintendência Regional de Ensino Metropolitana A, que coordena a unidade escolar.

A violência foi registrada na última quinta-feira (14). Internado no Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII, o adolescente morreu na manhã desta terça (20). O suspeito, um jovem de 18 anos, está detido desde 15 de novembro no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) Gameleira, na região Oeste da metrópole. O caso é investigado pela 1ª Delegacia de Polícia Civil. A previsão é a de que o inquérito seja concluído em até dez dias, mas o prazo pode ser prorrogado por mais 20.

Em nota, a SEE informou que o agressor tem mais de 20 ocorrências sobre o comportamento dele na escola, que abrangem todo o período que ele está matriculado no local, desde o 1º ano do ensino fundamental. Ainda conforme a secretaria, em mais de uma ocasião foi solicitada aos pais do jovem a transferência dele, sem sucesso.

A reportagem ouviu a defesa do agressor, que afirmou que o jovem está assustado e arrependido por tudo o que aconteceu. Segundo William Vaz, defensor público responsável pelo caso, a defesa vai pedir que ele seja julgado por lesão corporal. "Ele não teve a intenção de matar o colega. Houve, sim, a agressão, mas ela não foi iniciada com esse intuito. A pena deve ser maior agora porque a lesão resultou em morte, mas a própria família dele defende que a justiça seja feita, mas da forma certa", justificou.

Leia mais:
Ocorrências escolares apontam comportamento agressivo de jovem que espancou colega no Iemg
Alunos do Iemg fazem ato em memória de estudante morto
Família quer doar órgãos de jovem morto após agressão no Instituto de Educação: 'será um alento'