A escrita e a leitura são habilidades facilmente aprendidas por crianças em fase escolar. Agora, no entanto, o Ministério da Educação (MEC) impôs uma idade-limite para que as competências sejam dominadas pelos alunos.


Com o lançamento do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, na semana passada, o governo federal firmou com estados e municípios a meta de alfabetizar os estudantes até os 8 anos, ao fim do terceiro ano do ensino fundamental.
Para isso, mais de R$ 600 milhões serão investidos em programas de formação e aperfeiçoamento de educadores, material didático e avaliações.




Apesar do esforço para alcançar o objetivo, a idade estipulada pela iniciativa não corresponde à realidade das escolas, uma vez que a alfabetização formal começa no primeiro ano do ensino fundamental, quando as crianças estão com 6 anos.
“Essa é a idade normal. Com base na minha experiência, sei que um problema emocional ou um contexto familiar conturbado pode atrasar o aprendizado. Mas, ainda assim, antes do fim do ano letivo, todos já conseguem interpretar o que estão lendo”, afirma a professora Juliana Gregori, do Colégio Arnaldo.
Foi o que aconteceu com David Matos que, com 7 anos recém-completados, lê e escreve muito bem. “O aprendizado começou aos 5 anos. Hoje, a leitura é fluente, mas ele ainda comete alguns erros na ortografia, como a troca das letras ‘g’ e ‘j’”, conta a mãe, Muriele Matos Eller.
Os deslizes do garoto, no entanto, são aceitáveis e, pelo ritmo do aprendizado, ela acredita que em pouco tempo a alfabetização estará consolidada.




Da mesma forma, Rafaela Coelho, de 7 anos, foi alfabetizada cedo e, para isso, contou com o incentivo dos pais.
“Em casa, sempre demos livros para ela. Nas ruas, a brincadeira era descobrir as letras das placas. Aos poucos ela aprendeu a ler, foi muito natural”, conta a mãe, Renata Pinto Coelho.
A experiência das crianças é semelhante a de todos os alunos da turma, segundo a professora Juliana Gregori.



“Acredito que as crianças que chegam ao segundo ano do ensino fundamental sem essa habilidade foram prejudicadas por uma falha no processo educativo”, diz.

 

 

Leia mais na edição digital