Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra invadiram nesta semana duas fazendas pertecentes ao ex-bilionário Eike Batista. As duas propriedades estão localizadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A primeira ocupação ocorreu em Igarapé. Porém, os manifestantes deixaram o local após suposta ameaça. 

Na manhã desta quinta-feira (5), o grupo formado por aproximadamente 400 famílias invadiu uma área em São Joaquim de Bicas. O imóvel, que fica na alameda Limões, no bairro Retiro da Mata, fica ao lado de uma outra invasão do MST. Conforme a Polícia Militar, a intenção dos manifestantes e´expandir a ocupação já existente.

Resitência

Desta vez, o grupo informou que não pretende deixar a fazendo ocupada. “Não importa quantas vezes eles tentem nos ameaçar, nos coagir ou violentar, vamos continuar porque essa luta é justa, é necessária às famílias que não tem onde viver e trabalhar”, afirmou a dirigente estadual do MST, Mirinha Muniz. 

"Estamos preparados para nos manter na área ocupada", garantiu Jô Aquino, da direção regional do Movimento. “Eles se enganam achando que com um despejo podem nos parar. Essas pessoas precisam de terra. Eike ficará 30 anos preso e nós vamos passar mais 30 anos ocupando terra e fazendo a luta”, declarou.

A PM informou que tem conhecimento da invasão, mas que ainda não foi acionada para fazer a reitegração de posse. O grupo MMX foi procurado pela reportagem, mas não foi encontrado.

Condenação

Na terça, o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal do Rio, condenou o empresário Eike Batista a 30 anos de prisão por corrupção ativa. Bretas impôs a Eike, ainda, multa de R$ 53 milhões. Na mesma sentença, o magistrado condenou o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB) a 22 anos e oito meses de reclusão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão divisas. A ex-primeira-dama Adriana Ancelmo foi sentenciada a 4 anos de prisão.

Leia mais:
Bretas determina 30 anos de prisão a Eike Batista e 22 a Cabral