Ex-chef de cozinha do restaurante Café com Letras, que havia sido acusado de tentativa de estupro e assédio sexual por uma auxiliar de cozinha, que era funcionária dele, foi indiciado pela Polícia Civil (PC) nesta segunda-feira (10). 

Segundo a PC, além da auxiliar de cozinha, uma garçonete, também funcionária do chef, compareceu à Divisão Especializada de Atendimento à Mulher e à Pessoa com Deficiência e o denunciou, mais uma vez, por assédio sexual. O primeiro inquérito foi instaurado no dia 6 de fevereiro e o segundo no dia 15 de março. 

A advogada das duas mulheres, Suellen Garcia, contou que a garçonete sofreu assédio durante cinco meses e que ela chegou, inclusive, a ser convidada por ele para ir ao motel. 

Ainda conforme a PC, durante os depoimentos, testemunhas contaram que o chef falava muito em sexo, em tom de brincadeira, com as funcionárias. Além disso, as imagens das câmeras de segurança mostram o chef saindo com a auxiliar de cozinha do restaurante no dia em que ela falou ter sofrido a tentativa de estupro.

Em depoimento, o homem negou o assédio e afirmou que eram apenas brincadeiras. A pena por assédio varia de um a dois anos de detenção. Já a tentativa de estupro varia de 2 a 7 anos.

Relembre o primeiro caso

De acordo com o relato na rede social, a jovem teria sido assediada por várias vezes pelo chef e, como era casada e precisava trabalhar, não denunciou o homem."Convites para ir ao motel, propostas de empréstimos em troca de sexo, tapas na nuca (...) e outras frases que eu nem gostaria de repetir aqui como ‘seus peitos vão caber direitinho na minha boca". A jovem se calou, com medo de perder o emprego, renda crucial para sustentar os 4 filhos", publicou na ocasião uma amiga da auxiliar de cozinha. 

Ainda de acordo com o texto, o chef teria tentado estuprar a funcionária. Ele a teria levado até o carro, puxado o avental dela, abaixado as calças, pegado a mão dela e levado até seu órgão genital. Mas ela teria conseguido fugir. Após o incidente, a jovem teria adoecido e foi afastada do trabalho pelo psiquiatra.  

Por meio de nota, o Café com Letras informou que assim que teve conhecimento da denúncia, tomou todas as medidas necessárias, incluindo a demissão imediata do funcionário acusado. "Para zelar pela relação de respeito e dignidade entre seus colaboradores, clientes e fornecedores a empresa está implementando um programa de ações de natureza educativa e preventiva, composto por palestras, manual de conduta e o desenvolvimento de uma política setorial para bares e restaurantes junto à Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes)", informou a nota.

A assessoria de comunicação esclareceu ainda que o Café com Letras "repudia e nunca tolerou condutas que configuram desrespeito aos colaboradores, clientes e fornecedores". E que vem "contribuindo com as autoridades para completa apuração dos fatos sobre o episódio envolvendo ex-funcionários da empresa".

Leia mais:
Café com Letras é condenado a pagar R$ 1 mil a funcionária que acusou chef de cozinha de assédio
Chef acusado de assédio e tentativa de estupro presta depoimento
Polícia vai ouvir funcionária do Café com Letras que alega ter sido estuprada