O governador de Minas afastou o risco de racionamento de água na Região Metropolitana de Belo Horizonte por pelo menos dez anos. Fernando Pimentel visitou ontem o reservatório Rio Manso, um dos três que compõem o Sistema Paraopeba, responsável por abastecer cerca de metade da Grande BH. Atualmente, o nível da represa está em 78% da capacidade. Há pouco mais de um ano, esse índice era de apenas 30%. 

Para Pimentel, o aumento se deu, principalmente, pelo início de operação do sistema de captação da água do rio Paraopeba, obra concluída em dezembro de 2015. 

“Estamos com um nível de água mais do que suficiente para garantir o abastecimento da região metropolitana, não somente esse ano, mas em perspectiva de dez, 12, 15 anos. A operação dessa nova estação garantiu que a gente chegasse hoje a essa condição. Felizmente, nós conseguimos intervir na hora certa”. Foram investidos R$ 128,4 milhões na obra.

Em pouco mais de um ano, a captação permitiu que fossem poupados 79,5 bilhões de litros de água, volume superior ao total acumulado nas três represas do Sistema Paraopeba (Rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores) em 21 de dezembro de 2015. 

Hora certa
A presidente da Copasa, Sinara Meireles, explicou ainda que apesar de as chuvas terem contribuído para o aumento do volume das águas, somente isso não seria suficiente para garantir o abastecimento. 

“Neste mês já temos a perspectiva de que as chuvas vão ficar em um terço da média histórica. Portanto, se dependêssemos apenas disso, nós não estaríamos nessa situação”, afirmou.

Apesar do cenário positivo, Pimentel destacou a necessidade do consumo consciente da água. “A Copasa vai continuar com campanhas educativas para mudar o padrão de consumo. Embora a gente possa dar essa tranquilidade à população, nós temos que insistir que as pessoas façam o uso inteligente desse recurso, que é o mais escasso e mais importante do mundo”, finalizou.