Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, irá trabalhar nos serviços gerais de uma igreja em Pará de Minas, no Centro-Oeste de Minas. A comunicação foi feita nesta quarta-feira (31) pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. De acordo com a nota enviada, a solicitação foi feita pela defesa de Macarrão.

Ele está apto a trabalhar externamente desde 1º de junho quando foi transferido para o regime semi-aberto. O benefício foi concedido pelo juiz Ronan de Oliveira Rocha após trabalhar 1134 dias e concluir 570h de estudo entre outubro de 2011 e setembro de 2015. Ele cumpre, atualmente um sentença de 15 anos pelo envolvimento de Eliza Samúdio em parceria com o ex-goleiro Bruno Fernandes.

Ele poderá exercer a atividade entre as 7h e as 17h nos dias de semana e entre as 7h e as 12h aos sábados, devendo se recolher ao presídio após o trabalho.

Leia mais

Irmão do ex-goleiro Bruno é indiciado por sequestro e tentativa de aborto no caso Eliza Samudio
Nova sentença de Bola sobre morte de carcereiro será conhecida na 6ª
Retomada de buscas por Eliza somente após novo depoimento de irmão de Bruno, diz PC
Macarrão ganha na Justiça o direito de trabalhar fora da prisão

 

Relembre

O goleiro Bruno Fernandes foi condenado no dia 8 de março de 2013 a 22 anos e três meses pelo homicídio e ocultação de cadáver de sua ex-amante Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado de seu filho, o "Bruninho".

Os crimes aconteceram em junho de 2010 e o atleta foi apontado como o mandante.

Além dele, outros réus envolvidos no crime foram julgados. O ex-braço direito de Bruno, Luiz Henrique Ferreira Romão, o "Macarrão", foi condenado a 15 anos prisão por homicídio, sequestro e cárcere privado de Eliza Samudio. Já da acusação de ocultação de cadáver o réu foi absolvido.

Já a ex-namorada do goleiro, Fernanda Gomes de Souza foi condenada a cinco anos de prisão em regime aberto pelo crime de sequestro e cárcere privado de Eliza, enquanto a ex-mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues, foi absolvida das acusações de sequestro de "Bruninho".

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", foi condenado por homicídio e ocultação de cadáver. Além dele, também foram julgados o caseiro Elenilson Vitor da Silva e o motorista do atleta na época, Wemerson Marques de Souza, o “Coxinha”.