Mais de 200 piscicultores familiares do semiárido mineiro, além de pesquisadores, professores e estudantes de Zootecnia da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), se reúnem, na tarde desta quinta-feira (11), no 1º Seminário de Piscicultura do Norte de Minas, no auditório da Universidade do campus de Janaúba. 

A programação abrange palestras que abordam temas visando ao avanço da piscicultura na região, com utilização de tecnologias mais eficientes e uso consciente da água. Evento conta com a parceria da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).
 
A abertura do evento, às 13h30 de hoje, foi de responsabilidade do superintendente regional da Codevasf em Minas Gerais, Rodrigo Rodrigues. Para ele, com essa iniciativa, a Companhia está dando continuidade ao seu trabalho de promover a troca de conhecimento e experiências entre os mais de 230 piscicultores cadastrados pela empresa no norte de Minas, notadamente na região da Serra Geral.

Na programação, que se encerra às 17h, estão sendo ministradas as seguintes palestras: “Piscicultura no Semiárido – Boas Práticas de Manejo” pela zootecnista Rosiane Suelen Santos; “Regularização Ambiental de Piscicultura no Estado de Minas Gerais”, pelo engenheiro de pesca José Vanderval de Melo Junior; e "Nutrição e Alimentação de Peixes de Água Doce", pelo zootecnista Diego Vicente da Costa.
 
Piscicultura no norte mineiro
 
A piscicultura na região norte de Minas Gerais teve início na década de 1980 com a construção, ao lado da barragem do Bico da Pedra, do hoje denominado Centro Integrado de Recursos  Pesqueiros e Aquicultura do Gorutuba (1ª/CIG). O Centro tem tido um importante papel  na propagação artificial de espécies de peixes nativos e exóticos de valor ecológico e comercial para a recomposição da ictiofauna nativa e também para a piscicultura do vale do rio São Francisco no estado, principalmente nos 16 municípios da região da Serra Geral.
 
De acordo com o superintendente regional Rodrigo Rodrigues, o Centro de Gorutuba presta assistência técnica e oferece capacitação a pequenos piscicultores familiares, por meio de visitas às propriedades e de reuniões organizadas durante dias de campo. Ademais, o 1ª/CIG produz e distribui milhares de alevinos de espécies nativas para os pequenos produtores. Os peixes juvenis são destinados, ainda, a peixamentos em rios e córregos dos municípios de Janaúba, Manga, Matias Cardoso, Mato Verde e Nova Porteirinha.