Servidores da educação liberaram as procuras na Ouvidoria-Geral do Estado (OGE) no primeiro trimestre de 2016. De acordo com balanço divulgado pelo órgão, foram 1.956 manifestações entre janeiro e março, aumento de 113,54% se comparado com o mesmo período do ano passado.

A maioria das buscas foram referentes ao processo de designação e atraso no pagamento dos profissionais da área. Em seguida no ranking aparecem manifestações na Ouvidoria de Saúde (1.459), de Polícia (1.438), da Fazenda, Patrimônio e Licitações Públicas (761), do Sistema Penitenciário (620) e Ambiental (144). 

No total, foram 6.912 manifestações até março deste ano contra 5.494 registradas no mesmo período de 2015, aumento de 25,81% maior. 

Reclamações

O levantamento revelou, ainda, que os registros de denúncias liberaram (19,24%). Atrás aparecem solicitação de informações (16,42%), solicitação (14,24%), críticas (2,75%), elogios (1,98%) e sugestões (1,36%) referentes aos serviços públicos na sequência.

Belo Horizonte continua sendo o município mais demandado, com 1.987 manifestações. Estão também no topo da relação dos municípios que mais registram demandas Uberlândia (255), Juiz de Fora (193), Contagem (141) e Ribeirão das Neves (138). 

A internet continua sendo o meio pelo qual os cidadãos mais entram em contato com a OGE. Mais da metade dos manifestantes usaram a web para realizar registros no órgão, 51,32%. O telefone – Disque 162 – foi utilizado por 25,69%. Os demais meios de contato, como atendimento presencial, cartas, ofícios e matérias veiculadas na mídia, somam 22,99%.