Os destroços do monomotor prefixo PT-NKU, que desapareceu na última terça-feira (13) após decolar de Caratinga, região do Vale do Rio Doce, foram encontrados no início da tarde desta sexta-feira (11). Segundo o Corpo de Bombeiros, os pedaços foram achados na Serra do Caraça, em um local íngreme e de difícil acesso.

Ainda de acordo com os bombeiros, foram encontrados também os corpos das duas pessoas que, segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), foram identificadas como sendo Fausto Mesquita e João Paulo Gomes Araújo.

Militares dos bombeiros e da FAB fizeram buscas no local durante toda a tarde. Contudo, os trabalhos são dificultados uma vez que os destroços estão em fendas. As buscas por destroços e outras evidências, feitas pelo helicóptero Arcanjo 3, dos bombeiros, e pelo C-105 Amazonas do Esquadrão Pelicano, da FAB, foram interrompidas no final da tarde desta sexta-feira (9). Segundo os bombeiros, isso se deu porque as condições do tempo dificultam o voo. A previsão é de que os trabalhos sejam retomados na manhã deste sábado (10), com o apoio de um avião do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, Ceripa, do Rio de Janeiro.

A aeronave desaparecida tinha como destino Pará de Minas, na região Centro-Oeste do Estado. Nesta sexta, a Polícia Civil confirmou que uma operadora de celular informou que o último acesso de 3G de um dos tripulantes foi em Mariana, na região Central de Minas.

aeronave que caiu na serra do caraça

Tragédia

As buscas tiveram início na quarta-feira (7), na região próxima da rota provável. No primeiro dia foram contabilizadas dez horas de voo e a área coberta pelo C-105 ultrapassou a 2000 km2. A operação foi coordenada pelo Serviço de Busca e Salvamento Aéreo de Recife (SALVAERO - RF).

A FAB informou que foi comunicada sobre o sumiço às 21h50 de terça-feira. O piloto não havia oficializado o plano de voo. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) irá investigar as causas da queda.

A Agência Nacional de Aviação Civil informou que o monomotor estava registrado como privado e em nome de João Paulo Gomes de Araújo. A aeronave estava com o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) suspenso e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) vencida desde 29 de agosto deste ano.