O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", condenado a 22 anos de prisão pelo sequestro e morte de Eliza Samudio, vai enfrentar novo julgamento no Tribunal do Júri de Contagem, na Grande BH, a partir das 9 horas da manhã desta quarta-feira (16). Agora, pelo assassinato do carcereiro Rogério Martins Novello, ocorrido em maio de 2000.

No dia 5 de novembro de 2012, o "Bola" já havia sido absolvido por um júri pelo mesmo crime, no entanto, o Ministério Público (MP) entrou com um recurso pedindo que o julgamento fosse anulado devido a um vídeo exibido pela defesa. A mídia mostrava o ex-policial fazendo treinamento com armas de fogo e, segundo a promotoria, as imagens teriam intimidado os jurados. O novo julgamento foi decidido pelos desembargadores da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Os magistrados aceitaram recurso do Ministério Público (MP), que alegou que o Conselho de Sentença que absolveu "Bola" agiu de forma manifestamente contrária às provas contidas no processo.

O julgamento será presidido pelo juiz Elexander Camargos Diniz. A acusação fica a cargo do promotor Daniel Saliba de Freitas e a defesa com o advogado Ércio Quaresma. Foram arroladas cinco testemunhas de acusação e mais cinco da defesa, sendo que duas já confirmaram que não comparecerão.

Segundo denúncia do MP, o ex-policial foi quem atirou contra o carcereiro em 2000, na porta do estabelecimento comercial onde trabalhava, no bairro São Joaquim, em Contagem. No dia do crime, a vítima estava dentro de um veículo. Ainda conforme o MP, o homicídio foi encomendado.

Além disso, foi argumentado que dados do processo revelam que o réu teria estreitado o local de trabalho do carcereiro na tentativa de identificar sua vítima. O ex-policial foi reconhecido em 2010 pela irmã da vítima, que presenciou o crime. Ela o identificou como o responsável pela morte do irmão depois que viu sua imagem sendo veiculada em diversas emissoras de TV e em jornais pelo envolvimento no assassinato de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno.