Basta dar uma volta por Belo Horizonte para encontrar um food truck de salgados, doces ou massas. Considerada a capital dos bares, BH está despontando também na alimentação sobre rodas.

Hoje, a cidade conta com 44 veículos com cardápios variados, que incluem cervejas artesanais, churros, crepes e hambúrgueres gourmet, segundo a Associação Mineira de Food Trucks (Amoft). Apesar da boa aceitação, a nova categoria esbarra na legislação, considerada defasada pelo segmento.

A venda móvel de comida é regulamentada pelo Código Municipal de Posturas, que prevê, por exemplo, que os veículos não pesem mais do que uma tonelada nem estacionem a menos de 50 metros de lanchonetes, restaurantes e similares. Com essas restrições, a ação dos trucks fica limitada.

Para tentar resolver o impasse, empresários e representantes da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-MG) e do governo municipal participarão de uma mesa-redonda na tarde de hoje para debater propostas de regulamentação.

Expectativa

Esperamos que vejam o nosso lado e liberem nossa atuação. Que vejam que os food trucks são a revolução e a profissionalização da comida de rua. Todos querem ser regulamentados, ninguém quer ser clandestino”, afirma o presidente da Amoft e proprietário do truck Dig’s Fine Burger, Felipe Corrêa.

Segundo ele, por causa das limitações impostas pela lei municipal, dez veículos não podem comercializar produtos nas ruas, apenas em eventos. Alguns pelo tamanho e outros porque vendem bebidas alcoólicas, proibidas em espaços públicos.

Pressão

“BH foi a segunda capital brasileira a apresentar o pedido de regulamentação, mas, pelo visto, vai ser a última a consegui-la. Não falam o porquê, mas acreditamos que seja por pressão de bares e restaurantes”, diz Corrêa.

O diretor-executivo da Abrasel-MG, Lucas Pêgo, nega que haja resistência, mas ressalta que é preciso estabelecer critérios. “Os food trucks são bem-vindos e a associação está lutando para que eles tenham espaço, desde que sigam as mesmas obrigações e sejam fiscalizados como as lojas fixas. Senão, a concorrência torna-se desleal”, considera Pêgo.

Proposta é unir forças para garantir a qualidade dos produtos

Fugindo dos tradicionais cachorro-quente e macarrão na chapa, os food trucks estão popularizando o conceito de alimentos gourmet e fisgando a clientela pelo estômago em Belo Horizonte. Com apenas três meses de circulação, o Donna Coxinha acumula mais de 11,5 mil seguidores no Instagram e prepara-se para lançar o terceiro veículo, um “tuk tuk” (triciclo asiático).

Para Paulo Henrique Damasceno, proprietário do Donna Coxinha, é importante que o segmento una-se à Abrasel-MG para fortalecer a venda de comidas sobre rodas na cidade.

“No início, alguns trucks bateram de frente com a associação, mas essa não é a nossa intenção. Queremos ser mais um ponto de venda para eles e não concorrentes. A ideia é criar um projeto para trocarmos experiências e termos apoio”, garante Damasceno.

De acordo com ele, os food trucks chegaram para ficar e a tendência é que ganhem cada vez mais espaço, a exemplo do primeiro Food Park da cidade, inaugurado no último sábado, na Lagoa Seca, no bairro Belvedere (Centro-Sul).

“Nossa ideia é ter aliados para alcançarmos nosso intuito, que é o de levar comida de qualidade para a população mais perto de casa, sem que ela tenha que se deslocar”, adianta o empresário.

Outro avanço do segmento foi a aprovação, em primeiro turno, do Projeto de Lei (PL) 1.189/14, na Câmara de Vereadores, ampliando de uma tonelada para 1,5 mil quilos o peso máximo dos veículos usados na venda de alimentos.

O PL também propõe permissão para uso de banquinhos pelos clientes, o que é proibido pela legislação atual. texto precisa ser apreciado em segundo turno antes de seguir para sanção ou veto do prefeito Marcio Lacerda.

SERVIÇO:

Serviço: Mesa-Redonda Food Truck e Food Bike
Data: 24 de Agosto de 2015, segunda-feira.
Horário: Das 16h às 20h
Convites: gratuito para empresários do setor e convidados, mediante confirmação de presença.
Demais interessados: será cobrada taxa de R$ 40,00 (de acordo com a disponibilidade de lugares).
Local: Restaurante Único Pampulha - Av. Coronel Dias Bicalho , 547 - Pampulha – BH.