A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), na Zona da Mata, decidiu pela suspensão do calendário acadêmico, adiando o início das aulas do segundo período letivo de 2015, que estava marcado para o próximo 3 de agosto. 
 
A decisão foi motivada por dificuldades administrativas e operacionais proporcionadas pela greve dos servidores técnico-administrativos em educação. A paralisação impossibilitou a efetivação da matrícula dos estudantes aprovados para ingressarem na instituição neste semestre. “Incertezas quanto à realidade financeira e orçamentária da UFJF neste ano” também pesaram na decisão. 
 
Segundo a universidade, a suspensão atinge todas as atividades acadêmicas da graduação, presencial e a distância, nos campi de Juiz de Fora e de Governador Valadares, inclusive o ajuste de matrícula com os coordenadores. As atividades da pós-graduação e do Colégio de Aplicação João XXIII foram mantidas.
 
Os servidores técnico-administrativos em educação estão em greve desde o dia 28 de maio. Para garantir o ingresso dos estudantes aprovados na UFJF por meio do Sisu e do Pism, a instituição disponibilizou o registro de matrícula online, que deve ser comprovada presencialmente, com a apresentação de documentação oficial, para  ser efetivada. 
 
Diante da paralisação, a UFJF anunciou que “não haverá a possibilidade de realização do processo de efetivação da matrícula, o que impede o retorno no prazo previsto pelo calendário acadêmico vigente até então (3 de agosto). Além disso, a greve afeta atividades administrativas e acadêmicas, impedindo o funcionamento adequado das unidades”.
 
A universidade informou que vai avisar os estudantes por e-mail e por meio de comunicados oficiais no portal da UFJF sobre a decisão do adiamento.