O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) realiza na próxima sexta-feira (19), o julgamento de Alessandro Neves Augusto, o “Pitote”, acusado de matar o jornalista Rodrigo Neto, como queima arquivo, em março e abril de 2013, em Ipatinga, no Vale do Aço. 
 
O júri popular será realizado no Fórum Valéria Vieira Alves, no próprio município, a partir das 9 horas. O caso deverá ter um esquema especial de segurança.
 
“Pitote” é acusado de ser o autor dos disparos contra Rodrigo Neto e o fotógrafo Walgney Carvalho. O réu está detido na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.
 
Em 28 de março de 2014, o policial civil Lúcio Lírio Leal foi condenado a 12 anos de prisão em regime fechado pela participação no assassinato do jornalista Rodrigo Neto. 
 
Um outro inquérito investiga os mandantes dos crimes, a motivação e quem pilotava a motocicleta que levava Pitote.
 
Execução
 
O jornalista Rodrigo Neto foi executado a tiros quando estava em um bar do bairro Canaã, em Ipatinga, no Vale do Aço, em março de 2013. O repórter era especializado na cobertura de notícias policiais e durante sua carreira denunciou diversos crimes, inclusive envolvendo policiais militares e civis como autores.
 
Segundo a Polícia Militar, ele saía de um churrasquinho na avenida Selim José de Sales, quando dois homens chegaram em uma motocicleta escura e atiraram em sua direção. A vítima chegou a ser socorrida com vida, mas morreu a caminho do Hospital Márcio Cunha. 
 
Um outro homem, que estava com o Rodrigo Neto quando ele foi alvejado, também foi atingido mas conseguiu escapar. O itinerário de fuga teria sido traçado pelo investigador, que passou pelo local, minutos antes, viu o jornalista e o companheiro e avisou o comparsa de sua presença e posição. A motivação do crime, ainda de acordo com o MP, foram denúncias feitas por Rodrigo em emissora de rádio, contra crimes que ficaram impunes no Vale do Aço.