Em nome da fé, cerca de 3 mil pessoas se reuniram, na noite desta quinta-feira (4), em Belo Horizonte, para as comemorações do Corpus Christi, data em que os católicos festejam a presença do corpo e sangue de Cristo. Pela primeira vez, ruas da capital ganharam cores e desenhos de serragem, que formaram um extenso tapete por onde passou a procissão.

Enquanto a montagem das peças já faz parte da história dos moradores de cidades históricas, como Ouro Preto e Sabará, o trabalho de enfeitar as ruas com símbolos religiosos foi inédita para centenas de belo-horizontinos. Por volta das 6 horas, paroquianos e membros de pastorais começaram a confeccionar o tapete, de um quilômetro, que saía da Igreja Boa Viagem, passava pela avenida Afonso Pena, até chegar à São José.

Uma missa marcada para 17h30 foi celebrada pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, na área externa da Boa Viagem. "Quem sabe a produção dos tapetes não se torna uma tradição em Belo Horizonte? Quem sabe essa tradição não cresce a ponto de termos, no futuro, um tapete por toda a avenida Afonso Pena?", disse.

Às 19h30, os fieis saíram em procissão, passando pela avenida Afonso Pena, que ficou fechada para os carros. A cerimônia foi encerrada na igreja São José.